Museu de Favela inaugura novo espaço cultural

Desde o última dia 3, o Museu de Favela (MUF), ONG que integra moradores das comunidades do Pavão-Pavãozinho e do Cantagalo, deu um passo importante na realização de suas atividades, com a inauguração da Base Operacional 1.

Para atender aos moradores, o espaço de aproximadamente 200 m² conta agora com três salas de oficina, sala de informática, de biblioteca e um Terraço Cultural a céu aberto, com vista para a Lagoa Rodrigo de Freitas e a praia e o Cristo Redentor. Além disso, nas fachadas do imóvel foram instaladas obras de arte de autoria do grafiteiro Carlos Esquivel, conhecido como ACME, sócio-fundador do MUF. Também foram realizadas reformas de infra-estrutura e administrativas.

Entre as atividades que serão desenvolvidas pelo MUF para a comunidade estão oficinas culturais variadas, como aulas de percussão para a formação de uma Orquestra de Percussão-Afro; aulas de cavaquinho, que incluirão entrevistas para resgatar memórias com a velha guarda do samba do morro, lições de inglês e espanhol, para capacitar os mediadores na recepção de visitantes estrangeiros; além de debates com estudantes universitários da favela e aulas de arte-pintura para crianças e adolescentes. O MUF também irá investir na formação de redes de pequenos negócios criativos a partir dos saberes dos mestres de artes e ofícios da favela. 

O material produzido será vendido na Lojinha do MUF, outro novo espaço na sede, criado para estimular o desenvolvimento da REDEMUF, que reúne e organiza a produção de moradores das comunidades nas áreas de arte, artesanato e culinária.

“Nossa intenção é fazer do MUF um lugar para germinar idéias e desenvolver capacitação necessária para organizar e espalhar ações culturais do museu no território integral, expandindo uma consciência sobre a importância das memórias de nosso ambiente. Queremos traçar caminhos para a missão principal do Museu de Favela, que é afirmar o território como um monumento carioca vivo da cultura, das memórias e dos modos de vida em uma favela”, diz Márcia Souza, diretora cultural da ONG.

Os recursos para as conclusões das obras de reforma e melhorias no imóvel foram conquistados através do edital de modernização de museus, em 2010, da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro. Já a obra do Terraço Cultural foi executada com recursos da Agência Internacional de Cooperação para o Desenvolvimento (AECID), ligada ao Ministério de Assuntos Exteriores e de Cooperação do governo espanhol. As reformas duraram cerca de 7 meses.

Sobre o MUF

A ONG Museu de Favela (MUF) integra moradores das comunidades do Pavão-Pavãozinho e do Cantagalo e desenvolve projetos com o objetivo de transformar o morro em um monumento turístico carioca. O MUF é o primeiro museu territorial de favela do mundo, onde residem mais de 20 mil pessoas. A ONG foi fundada em 2008 e já tem um banco de mais de 20 projetos sócio-culturais elaborados a partir de ideias de moradores das favelas. A ONG articula parcerias e promove, oficinas, cursos e eventos, como festivais culturais, feiras, apresentações musicais e arte circense. O MUF foi classificado como Ponto de Memória modelo, no âmbito do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM). O desafio atual dos dirigentes é conquistar recursos para a manutenção do museu.