Quarenta recrutas da Marinha devem ter alta hoje, diz defensor público

Os defensores públicos da União Daniel Macedo e André Ordacgy visitaram nesta segunda-feira o Hospital Naval Marcílio Dias, no Rio de Janeiro, onde 57 recrutas da Marinha foram internados com insuficiência renal. Segundo Macedo, o hospital se comprometeu a dar alta, ainda hoje, a 40 pacientes.

Os 17 restantes deverão permanecer em observação por um ou dois dias ainda no local, cuja estrutura apontada por Macedo era "muito boa". No entanto, os recrutas retornarão à unidade militar, embora devam receber aulas teóricas e ficar afastados de exercícios físicos.

Sete dos internados foram entrevistados, e todos afirmaram que houve falta de água. Segundo Macedo, "desses sete, seis (entrevistas) foram na presença de oficiais e uma reservadamente. Não foram todos enfáticos no excesso de exercícios, mas foram unânimes na falta de água."

Os defensores entregaram um ofício à unidade de saúde, que tem 48 horas para responder questões médicas relativas aos pacientes. Já o Centro de Instrução Almirante Milcíades Portela (Ciampa), onde estavam lotadas as vítimas, vai receber um ofício para responder a sobre a falta de água, quais recrutas foram atingidos, sobre uma possível demora na comunicação do fato à família, relação do quadro de exercício semana, entre outros itens.

Ônibus chega a hospital com mais seis alunos da MarinhaUm ônibus chegou ao Hospital Naval Marcílio Dias, no início desta noite, com mais seis recrutas do curso de formação de fuzileiros navais que apresentavam os mesmos sintomas dos 57 internados anteriormente. O ônibus vai levar os jovens que já apresentaram melhora do quadro de saúde de volta para o Ciampa.