Caso Juan: PMs suspeitos são presos

Foram presos no fim da tarde desta quinta-feira os cabos Edilberto Barros do Nascimento e Rubens da Silva e os sargentos Isaías Souza do Carmo e Ubirani Soares, os PMs acusados de envolvimento na morte do menino Juan Moraes, de 11 anos, desaparecido durante uma operação na favela Danon, em Nova Iguaçu (Baixada Fluminense), no dia 20 de junho. Mais cedo, os policiais haviam cumprido um mandado expedido por Márcio Alexandre Pacheco da Silva, do 4º Tribunal do Júri de Nova Iguaçu, se apresentando no quartel general da corporação. 

Eles aguardavam apenas a chegada da ordem de prisão temporária, que chegou no fim da tarde. Os oficiais passaram por um exame de corpo de delito no Hospital Central da Polícia Militar e em seguida foram levados para o Batalhão Especial Prisional, em Benfica (Zona Norte), onde ficarão presos.

Eles foram enquadrados por dois homicídios dolosos duplamente qualificados, com agravamento de motivo torpe e emprego de recurso que dificultou a defesa das vítimas (Juan Moraes e Igor de Souza Afonso) e duas tentativas de homicídios, também duplamente qualificados. Eles devem permanecer na prisão por 30 dias.

O Ministério Público pediu a prisão temporária dos PMs na última terça-feira, pois acharam a prisão imprescindível para o andamento das investigações do inquérito policial, já que testemunhas deixam de colaborar por temerem represálias.