Rio: bicheiro foragido abre empresas e declara imposto

 

O bicheiro Rogério Andrade, foragido desde dezembro, continua controlando seus negócios e em dia com a Receita Federal, possuindo pelo menos quatro empresas com números de CNPJ ativos.

A mais nova delas foi constituída em junho de 2010, dois meses depois de ter sofrido um atentado no qual morreu seu filho de 17 anos. No site da Receita, consta que Rogério tem imposto a pagar. Pelo menos nos últimos seis anos, o contraventor declarou Imposto de Renda, mesmo preso entre setembro de 2006 e junho de 2009. As informações são do jornal Extra.

"Ele está aguardando conseguir um habeas-corpus", disse seu advogado, Luiz Carlos da Silva Neto. Segundo a Polinter, há dois mandados de prisão contra Rogério. Um deles, de abril deste ano, diz respeito ao assassinato, em novembro de 2010, do bombeiro Antônio Carlos Macedo, que era seu segurança. O outro, de dezembro de 2010, se refere a uma condenação por exploração ilegal de jogos de azar.