Cresce o número de notificações de violência contra mulheres no Alemão

A chefe de Polícia Civil do Rio de Janeiro, delegada Martha Rocha, visitou, nesta quarta-feira (25), o novo comandante da Força de Pacificação que atua no Complexo do Alemão. Com o objetivo de estreitar as relações entre Polícia Civil e Exército, a delegada e o general Carlos Sarmento ficaram reunidos por cerca de uma hora. Entre os assuntos tratados, está o aumento no número de notificações de casos de violência contra a mulher na região. 

De acordo com Martha Rocha, a unidade da Polícia Civil que funciona em conjunto com a Força de Pacificação recebe pelo menos denúncias de dois casos de violência doméstica por dia. Ela explicou que, no entanto, não houve um aumento da violência. 

"É um sinal de que as mulheres estão confiando mais na autoridade policial. Com o que está sendo feito aqui, ela não é mais vitimizada pela segunda vez. Antes, a mulher era vitimizada pelo companheiro e, alémdisso, não podia ir a uma delegacia. Com a retomada do território, com a retomada da cidadania aqui, é natural que as mulheres procurem a unidade policial", disse a delegada. 

Ainda segundo a chefe de Polícia do Estado, estão sendo planejadas ações para combater esse tipo de crime. 

"Estamos pensando em novas estratégias, em como trazer o trabalho das delegacias de atendimento à mulher pra cá e em como fazer umtrabalho de prevenção conversando com as mulheres. Temos uma bela cartilha, podemos fazer algum evento, explicar o que é esse fenômeno. Temos, atualmente, um retrato do empoderamento das mulheres e da confiança delas no poder público. Com certeza o trabalho que o Exército faz aqui é importante", afirmou a delegada Martha Rocha. 

O comandante da Força de Pacificação, general Carlos Sarmento, reiterou a importância da parceria com as polícias Civil e Militar. 

"Para nós, esta visita é um exemplo do entrosamento que temos, já que o sucesso da nossa operação é devido à cooperação das três forças envolvidas. Sem o empenho de cada uma dessas instituições, dificilmente teríamos alcançado o sucesso que conquistamos. Vamos tratar de futuras ações e da continuidade desse trabalho", disse o general. 

O Complexo do Alemão foi ocupado pelo Estado no fim do ano passado, durante uma megaoperação de retomada do território, que envolveu cercade 2.700 agentes das polícias Civil e Militar e do Exército.