Inea adverte: banhistas devem evitar as praias de São Conrado e de Copacabana

A gerente de Avaliação de Qualidade de Água do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Fátima Soares, advertiu, nesta terça-feira (10/5), que os banhistas devem evitar trechos das praias de São Conrado e de Copacabana, principalmente nos pontos onde há maior concentração de sujeira trazida pelas chuvas. O Inea descarta a suspeita de que o problema seja língua negra.

- São Conrado tem mais ou menos cinco saídas de águas pluviais. Depois chuvas como estas que estão castigando o Rio, o volume de água aumenta e acaba chegando à praia - analisou Fatima.

De acordo com as avaliações técnicas feitas até o momento pelo Inea, o fenômeno não pode ser classificado como língua negra.

- É desague mesmo de toda a drenagem da encosta de São Conrado, que vai acabar saindo nas galerias de água pluviais e, dali, para a praia. Claro que isso vem carreando terra da encosta, vem lavando ruas – explicou Fátima. - Não é uma água de boa qualidade, mas não é caracterizado como esgoto. Mesmo assim, pode ter alguma contaminação, inclusive porque vem lavando as águas de pista de rolamento e galerias que muitas vezes ficam paradas durante um tempo. O panorama é o mesmo em relação a Copacabana - concluiu a gerente do Inea.