Firjan sedia seminário sobre impactos do Arco Metropolitano

RIO - O governador Sérgio Cabral e o vice-governador e secretário de Obras, Luiz Fernando Pezão, participam na manhã desta segunda-feira, na sede da Firjan, no Centro do Rio, da abertura do seminário 'Arco Metropolitano: um novo marco no desenvolvimento metropolitano'. O encontro vai abordar as potencialidades que a rodovia trará para o Rio de Janeiro em termos de desenvolvimento econômico e social, as oportunidades de geração de empregos e sustentabilidade.

A estimativa é que a obra reduza de 2,5% a 20% os custos de transportes de mercadorias entre o porto de Itaguaí e sete estados brasileiros. O impacto na economia brasileira será R$ 1,8 bilhão, sendo 64,1% desse valor concentrado no setor de construção civil. Em longo prazo, a influência direta no Produto Interno Bruto da região será de R$ 2 bilhões.

Na construção da obra, estão sendo empregados quase cinco mil pessoas. Até a conclusão do empreendimento, serão 16 mil profissionais trabalhando na obra. Os dados fazem parte do estudo Avaliação dos impactos logísticos e socioeconômicos da implantação do Arco Metropolitano, encomendado pela Firjan e pelo Sebrae ao Centro de Estudos em Logística da Coppe-RJ e à Tendências Consultoria.

O Arco Metropolitano terá 140 km de extensão e passará por oito municípios: Itaboraí, Magé, Guapimirim, Duque de Caxias, Nova Iguaçu, Japeri, Seropédica e Itaguaí. Além das obras de duplicação de pistas e asfaltamento, 156 intervenções estão previstas, entre viadutos, pontes, passagens interiores e de gado e passarelas. A rodovia terá um Centro de Controle Operacional, pátio para cargas perigosas, postos de pesagem fixa e móvel e será monitorada pela Polícia Rodoviária Federal.