Cedae terá Centro Geral de Controle de Abastecimento de Água

RIO - O presidente da Cedae, Wagner Victer, anunciou nesta quarta-feira que, em 90 dias, a companhia vai inaugurar seu Centro de Controle Operacional (CCO) Geral, na Zona Portuária, de onde os macrossistemas que distribuem água para todo o Estado serão controlados. A sala de monitoramento será equipada com o mesmo sistema do moderno Centro de Controle Operacional de Abastecimento de Água da Zona Oeste, inaugurada ontem, em Jacarepaguá.

Com a automação, as operações passarão a ser programadas por um software, que permite a manipulação das válvulas, reduzindo a interferência do homem. O sistema conta ainda com sensores de linha, que colhem os dados de pressão e vazão em cada ponto, e transmitem as informações para o CCO, instalado na Gerência Regional, no Largo do Tanque, por sinal de celular GPRS. O acompanhamento em tempo real da rede de distribuição vai melhorar os serviços prestados nos bairros de Jacarepaguá, Barra da Tijuca e Recreio dos Bandeirantes.

Orçadas em R$ 10 milhões, as instalações foram viabilizadas através de um Termo de Cooperação Técnica firmado entre a Cedae e a Associação de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi). Inicialmente, 30 pontos de abastecimento serão acompanhados em tempo real, mas a previsão é que outros 20 sejam incluídos. O projeto vai beneficiar cerca de 700 mil habitantes num raio de 300 km².

Para o presidente da Cedae, Wagner Victer, o monitoramento confere credibilidade ao serviço e vai garantir o abastecimento permanente da região, além de configurar uma ferramenta essencial para a realização dos Jogos Olímpicos de 2016.

– Esse é o primeiro centro dessa modalidade no país, e demos prioridade à região que mais cresce no Estado do ponto de vista imobiliário. Essa área precisou de um tratamento especial não só por conta das Olimpíadas, mas também devido ao crescimento desequilibrado de Jacarepaguá. O sistema permite verificarmos online a vazão em litros/segundo e pressão em cada área e manobrar a distância para melhorar o abastecimento – explica Victer.

A Cedae já estuda implementar outros centros em regiões que demandam grande atenção no Estado. Durante as Olimpíadas, a estrutura será transferida para o complexo olímpico, no Autódromo, para permitir que as equipes internacionais acompanhem o trabalho realizado pela companhia na região que concentrará os eventos esportivos.