Cabral vai aos EUA buscar investimentos para o estado

RIO - O governador Sérgio Cabral desembarcou nesta quarta-feira nos Estados Unidos com o objetivo de atrair investimentos e recursos para o estado do Rio de Janeiro e promover o intercâmbio de experiências nas áreas de Saúde, Educação e Esportes. Durante a missão governamental e empresarial, que vai de 30 de março a 6 de abril, o governador fará palestras na Câmara de Comércio Americana (US Chamber of Commerce) e no Export Import Bank (Ex-Im Bank), em Washington D.C., e na prestigiada universidade Massachusetts Institute of Technology (MIT), em Cambridge.

Cabral também será um dos debatedores do Fórum de Líderes do Setor Público América Latina e Caribe, organizado pela Microsoft na capital americana, que terá o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como palestrante principal. Ele terá ainda encontros com autoridades, como o governador de Maryland, Martin O'Malley.

A missão acontece 11 dias após o governador ter recebido no Rio de Janeiro o presidente dos EUA, Barack Obama, que testemunhou o bom momento do estado, depois de décadas de esvaziamento econômico e abandono de políticas públicas. Na Cidade de Deus, em Jacarepaguá, Obama conheceu a experiência bem-sucedida das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) - que já libertaram milhares de pessoas do domínio do crime organizado em 16 comunidades carentes do Rio de Janeiro – e enalteceu a pacificação no Rio em seu discurso no Theatro Municipal.

A líderes e empresários americanos, Cabral vai ressaltar a nova realidade fluminense – essencial para um saudável ambiente de negócios -, como os resultados práticos da política de segurança pública de seu governo, que tem reduzido de forma consistente os índices de criminalidade no estado. Ele vai demonstrar também os motivos que fazem o Rio de Janeiro ser, atualmente, o melhor estado para receber investimentos no país.

O governador falará ainda sobre as oportunidades abertas diante do momento sem precedentes que o Rio vive, a partir do extenso calendário de grandes eventos internacionais, como os Jogos Mundiais Militares de 2011; a Rio + 20, em 2012; a Copa das Confederações, em 2013; a Copa do Mundo de 2014; a Jornada Mundial da Juventude Católica, em 2015; e as Olimpíadas de 2016.

- Desde o primeiro dia do meu governo, tinha o objetivo de 'vender' o Rio de Janeiro no exterior para atrair novos investimentos e fazer com que o estado saísse da estagnação econômica e retomasse o rumo do desenvolvimento e da geração de emprego e renda. Era sair da toca mesmo, mostrar que o Rio não era um destino unicamente turístico, mas também empresarial. Esse trabalho tem dado muito certo. O coroamento foi, sem dúvida, a conquista dos Jogos Olímpicos para a cidade. A visita do presidente Obama ao Rio também é parte desse contexto. Ele e a família saíram com as melhores lembranças do Rio. Hoje, o mundo vê o Brasil e, especialmente, o Rio de Janeiro, como um país e um estado em pleno desenvolvimento e onde a casa está arrumada, a democracia é plena e que tem uma população que recuperou a sua autoestima - afirma o governador.

 

Rio e Maryland fecham acordo de cooperação em Saúde, Educação e Esportes

O trabalho da missão governamental começa em Maryland, nesta quarta-feira, quando Sérgio Cabral se reúne com o governador Martin O'Malley e assina acordos de cooperação em Educação e Esportes. Na ocasião, ele também vai firmar convênio de consultoria técnica entre a Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil e o Centro de Trauma de Baltimore, unidade da Universidade de Maryland.

No dia seguinte, em Washington D.C, o governador será o orador principal de um seminário na US Chamber of Commerce, a Câmara de Comércio americana, e, além de identificar oportunidades, explicará por que investir no estado do Rio é um bom negócio: "O Rio é, hoje, um estado com uma ótima saúde fiscal, graças ao nosso contínuo trabalho de qualificação da gestão pública. Temos uma população de 16 milhões de habitantes, a terceira maior do país, e PIB de cerca de US$ 187 bilhões, o segundo maior do Brasil. Maior, inclusive, do que o de países como Chile ou Israel. Em 2008, por exemplo, o PIB do Rio cresceu quase o dobro do da China. Já em 2010, o Estado recebeu o Investment Grade da agência internacional de classificação de risco Standard & Poor’s. O Rio de Janeiro é um mercado muito expressivo. E, para estimular um crescimento ainda maior da nossa economia, temos adotado uma política bastante eficaz de incentivos para empresários, sejam nacionais ou estrangeiros", destaca Cabral.

Paralelamente ao seminário na US Chamber of Commerce, com apoio do Washington Post e Valor Econômico, representantes da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), tendo à frente o presidente Eduardo Eugênio Gouvêa Vieira,  e executivos brasileiros, entre eles o empresário Eike Batista, participarão de rodadas de negócios com empresários norte-americanos.