Ampla é obrigada a realizar manutenção nas subestações de energia de Niterói

O Juízo da 7ª Vara Cível da Comarca de Niterói concedeu liminar na Ação Civil Pública ajuizada obrigando a Ampla Energia e Serviços S/A a efetuar, no prazo máximo de 90 dias, a manutenção adequada de todas as subestações que fornecem energia elétrica para o Município de Niterói, na Região Metropolitana do Rio. 
Sob pena de multa de R$ 800 mil, a concessionária deverá também cuidar do bom funcionamento de disjuntores, banco de capacitores, transformadores de potência, bases equipotenciais, comutadores sob carga e reguladores de tensão instalados nessas subestações.
 
A Ampla também foi obrigada a criar um livro de controle de acesso às subestações, para o registro de ocorrências; a desobstruir as saídas dos alimentadores; a efetuar o conserto de transformadores com vazamento de óleo e com ventilação forçada; a limpar a sala de controle e os filtros de linha dos sistemas de comunicação que se encontram com vegetação; a efetuar a limpeza das dependências das subestações e adequar a iluminação; a aterrar as estruturas; e a efetuar a troca de componentes de corrosão. 
 
De acordo com a ACP, as irregularidades na manutenção das subestações foram constatadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), durante uma inspeção. Conforme relatado no documento resultante dessa inspeção, “foi constatado o precário estado de conservação de equipamentos, estruturas, identificação de equipamentos etc., impedindo-os de desempenhar sua função para a prestação do serviço adequado.
A Ampla divulgou uma nota sobre a questão.
Veja:
 
A Ampla esclarece que já realiza manutenções preventivas e rotineiras em todas as suas subestações de energia. A distribuidora ressalta que todo o seu sistema elétrico é monitorado pelo Centro de Operação do Sistema (COS), em Niterói. A Ampla acrescenta ainda que ontem (3/2) a juíza  da 7ª Vara Cível da Comarca de Niterói suspendeu a tutela  em razão da documentação que foi enviada pela distribuidora.