Mesa diretora da Alerj será eleita nesta quarta-feira

RIO - A Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) elegerá a nova Mesa Diretora nesta quarta-feira, às 15h, no Plenário Barbosa Lima Sobrinho, no Palácio Tiradentes. A votação será iniciada com a eleição do próximo presidente, que dará entrevista coletiva após a sessão.

O processo se dará em duas votações, uma com decisão por maioria absoluta (36 votos) e outra por maioria simples. Em seguida, serão eleitos os 1º, 2º, 3º e 4º vice-presidentes, o 1º, 2º, 3º e 4º secretários da Mesa e quatro suplentes, todos em duas votações.

As chapas se inscreverão na hora e não será permitido o registro de candidatura avulsa para qualquer uma das vagas. A votação será aberta e confirmada após a totalização dos votos, com a leitura das opções de cada deputado. Os parlamentares poderão mudar de voto durante a leitura.

Concluída a contagem com a totalização dos votos, o presidente da sessão, deputado Átila Nunes (PSL) – que presidirá por ser o parlamentar com o maior número de mandatos – proclamará a chapa eleita, que será empossada em seguida.

 

Deputados tomaram posse na terça-feira

Os componentes da 10ª Legislatura foram empossados na terça-feira. A sessão foi presidida pelo deputado Átila Nunes (PSL), que, iniciando seu 11º mandato, é o parlamentar há mais tempo na Casa. Lembrando a pouca idade que tinha quando assumiu seu primeiro mandato, no início dos anos 70, ele aconselhou os jovens deputados eleitos para esta legislatura a valorizar a experiência dos colegas mais velhos. E, lembrando o período da ditadura militar, elogiou o decano Gerson Bergher (PSDB) por sua "vida pautada pela luta contra a xenofobia e pela igualdade de direitos".

O parlamentar também chamou a atenção dos 31 deputados que não estavam na Casa na última legislatura para 'os novos rumos' do parlamento nas gestões Cabral e Picciani (cada um presidiu a Alerj por oito anos), dando como exemplo medidas pioneiras como o fim do jeton (gratificação por hora extra), do nepotismo e a redução do recesso parlamentar.

Nesta legislatura, as mulheres conquistaram mais espaço no Parlamento fluminense. A bancada feminina para os próximos quatro anos aumentou de oito para 13 deputadas. Regiões como a Baixada Fluminense, que pulou de dez parlamentares para 14, aumentaram a sua representatividade no Parlamento. É o caso também da região que engloba os municípios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo, que de nove deputados passou para dez. As regiões Serrana, dos Lagos, Norte e Sul Fluminense sofreram baixas: a primeira perdeu uma cadeira, passando a ter dois representantes, a segunda passou de cinco para quatro deputados, o Norte do estado caiu de cinco para três. O Sul foi a região que mais perdeu representantes, passando de sete deputados para quatro.

Cabe ressaltar que entre os 31 novos deputados para este mandato, 12 eram vereadores em exercício de mandato, sendo quatro da capital, dois de São Gonçalo, dois de Nova Iguaçu, um de Petrópolis, um de Belford Roxo, um de Niterói, e um de Duque de Caxias.