Sai em maio o livro do comandante-geral da PM sobre a ocupação do Alemão

'Liberdade para o Alemão' já tem 80 páginas escritas

RIO - O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Mário Sérgio Duarte, já tem 80 páginas prontas do livro que escreve sobre a ocupação policial no complexo do Alemão, ocorrida no início deste ano como resposta ao atos criminosos de retaliação às UPPs.

Segundo ele, até maio, a obra "Liberdade para o Alemão" estará pronta para ser lançada. O livro será um relato de toda a operação, desde quando começaram os incêndios a carros provocados por bandidos, até dois dias após terminar o processo de ocupação no complexo.

- O livro está ficando muito bonito - disse ele sobre a própria cria, enquanto aguardava a chegada do governador Sérgio Cabral para a inauguração da UPP do Morro São João, que acontece nesta segunda-feira.

E o comandante-geral das UPPs, coronel Robson Rodrigues, falou sobre a nova estratégia no trabalho de pacificação da Cidade de Deus, que começou a ser implementada na última semana.

Segundo ele, por se tratar de uma comunidade muito grande - onde vivem mais de 40 mil pessoas - o comando será subdividido em três bases, com o objetivo de promover a segurança em toda a região. Desta forma, o efetivo total, que agora é de 334 policiais, será alocado em três pontos estratégicos, que ficarão nas localidade conhecidas como Karatê/ Rocinha 2; Quadras (na parte central da comunidade); e Bariri.

Nova UPP

A Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro São João, no Engenho Novo, será instalada, provisoriamente, na Rua Conselheiro Jobim, na Praça da Associação, no Morro São João. Segundo informou o comandante-geral das UPPs, coronel Robson Rodrigues, a sede definitiva será na Rua Visconde de Santa Cruz.

A 14ª UPP terá um efetivo de 200 policiais militares, sendo 35 mulheres e atenderá também as comunidades da Matriz e Quieto, nas quais vivem cerca de 6 mil pessoas. O comando desta unidade ficará a cargo do capitão Bruno Xavier, de 31 anos, onze de Corporação. O oficial já foi subcomandante do Grupamento de Policiamento em Estádios (GEPE) e atuou nos Batalhões da Tijuca (6ºBPM) e de Rocha Miranda (9ºBPM).

Nascido e criado nas proximidades da comunidade, o capitão Bruno retorna ao local onde viveu por cerca de 20 anos com objetivos que vão além da pacificação.  - Pretendo, por meio da UPP, facilitar ao máximo a chegada de serviços públicos dos quais a comunidade tanto necessita, como coleta de lixo, iluminação, entre outros. Como esportista, também quero desenvolver, o máximo possível, atividades esportivas para crianças e jovens - disse ele, momentos antes da inauguração.

Sobre as metas no trabalho de pacificação, o capitão informou que, entre as prioridades, está a redução nos altos índices de delitos praticados no entorno da comunidade, principalmente roubo de carros e assalto a transeuntes.

Ele ainda comentou o fato desta UPP ter, em seu efetivo, muitas mulheres, um quantitativo acima da média das outras unidades.  - Isso é legal porque facilita a abordagem junto à população. Claro que o trabalho seria feito da mesma forma, por homens ou por mulheres. Mas elas tem um jeito mais sensível de abordar as pessoas, o que é um diferencial - afirmou.