Número de mortos em Teresópolis pode chegar a 300

RIO - A secretária de Saúde de Teresópolis, Solange Cirico Costa, estimou que o número de mortos na cidade, por causa das fortes chuvas, pode chegar a 300. Hoje já deram entrada no Instituto Médico Legal (IML) 147 corpos.

Como o prédio não tem capacidade para receber um volume tão grande, parte dos corpos foi colocada dentro da garagem, ao ar livre e sem refrigeração, para o reconhecimento pelos parentes. Uma equipe de 20 peritos e papiloscopistas da Polícia Civil foi enviada do Rio.

“O maior drama é o número de óbitos. Nós estamos estimando chegar a 300. Não temos os números fechados, mas temos áreas em que ainda não conseguimos chegar”, afirmou Solange.

O número de feridos também é grande, mas ainda não foi contabilizado pela secretaria, pois estão espalhados por várias unidades de saúde, incluindo dois hospitais, uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e 24 postos, do total de 30 da rede municipal. Seis postos estão fora de operação por conta da enchente.

Um hospital de campanha para atender até 50 pacientes foi montado ao lado da prefeitura. Cerca de 600 pessoas, incluindo voluntários e profissionais de outras cidades, estão prestando atendimento de saúde, segundo a secretária.

A maior parte dos casos atendidos é de pernas e braços quebrados, cortes e pancadas. A preocupação a partir de agora, é com doenças que surgem normalmente após as enchentes, como a leptospirose. Outro cuidado é a reposição de medicamentos de uso contínuo, para diabetes e hipertensão, pois os desabrigados perderam os remédios que tomavam.

Até mesmo igrejas estão recebendo pacientes. Entre as doações necessárias estão luvas cirúrgicas, seringas descartáveis, álcool, remédios, toalhas, colchonetes e lençóis.