Cabral: ocupações irregulares são sinônimo de tragédia no Rio

O governador do Rio de Janeiro falou na manhã desta quinta-feira, em entrevista à rádio CBN, sobre a tragédia que atingiu os municípios da região serrana do Rio após as fortes chuvas. Cabral disse que as ocupações irregulares "cada vez mais tem sinônimo de tragédia" e afirmou que a fiscalização das ocupações é uma obrigação dos municípios. "É evidente que desde 1988 a Constituição Brasileira diz que solo urbano é responsabilidade da municipalidade".

De acordo com o governador, a ocupação irregular do solo sempre agrava a situação das tragédias provocadas pelas chuvas. Segundo ele, somente na cidade do Rio de Janeiro há mais de 18 mil habitações construídas em áreas de risco. "O fato mais difícil é dizer 'não'. Dizer 'não' é muito difícil. 'Não, não pode' (construir em áreas de risco)", afirmou.

"Cabe às prefeituras autorizar as construções, mas nós, do Estado, não podemos cruzar os braços", afirmou ao destacar que o Banco Mundial analisa a aprovação de um empréstimo de R$ 1 bilhão para o programa Morar Seguro, do governo do Estado, que prevê a retirada de moradores que vivem em áreas de risco.

O governador disse que, por volta das 10h20 aguardava a chegada da presidente Dilma Rousseff no Rio de Janeiro para realizar, junto com ela, um sobrevoo pelas áreas atingias. Ele afirmou que eles possivelmente farão um pouso na cidade de Nova Friburgo, que considerou uma das situações mais críticas.

Cabral afirmou ainda que falou com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva esta manhã sobre a situação na região serrana. "Ele está muito preocupado e ficou muito feliz de saber que a presidente Dilma está chegando ao Rio nas próximas horas", disse.

As fortes chuvas que atingiram os municípios da região serrana do Rio nos dias 11 e 12 de janeiro provocaram enchentes e inúmeros deslizamentos de terra. Pelo menos 349 pessoas morreram nas cidades de Teresópolis, Petrópolis e Nova Friburgo. De acordo com a Secretaria de Meio Ambiente e a Defesa Civil, em 24 horas foram registrados 140 mm de chuva, volume esperado para todo o mês de janeiro na região.