Chuva dá trégua, mas moradores de Friburgo ainda enfrentam muita lama e sujeira

RIO - A chuva deu uma trégua no município de Friburgo, na Região Serrana do Rio de Janeiro, na manhã desta quarta-feira, mas a situação ainda é bastante crítica na cidade. O nível do Rio Bengalas, que subiu durante a madrugada, inundando várias vias da cidade, já baixou, mas há muita sujeira e lama espalhadas por diversas partes.

De acordo com o diretor-geral da Defesa Civil do estado, coronel Marcos Rossi, até as 11h de hoje havia três mortes confirmadas oficialmente em Friburgo. Pelo menos mais seis pessoas estão soterradas, entre elas três bombeiros que foram atingidos por um desmoronamento enquanto trabalhavam no resgate de outros três moradores, no centro da cidade.

Falta luz na região e o funcionamento do transporte coletivo está bastante precário. Segundo moradores, os ônibus não circulam em diversos pontos. O serviço de telefonia também está prejudicado.

“A situação está caótica. É lama por toda parte. Estou ilhada no meu apartamento. A água tomou conta do primeiro andar da garagem do meu prédio e quase inundou o segundo. Não consigo sair de casa para trabalhar”, disse a gerente comercial Mirian Manhãs, moradora do centro de Friburgo.

Segundo ela, boa parte do comércio da cidade também está fechado. “A gente está tentando acompanhar a situação pelo telefone, mas até isso está difícil porque a ligação, quando consegue completar, cai toda hora. O comércio está de portas fechadas. Os poucos que conseguem chegar às lojas só podem trabalhar para tirar a lama que invadiu tudo”, acrescentou.

A prefeitura montou um hospital de campanha para prestar atendimento aos feridos nos desabamentos. O relações públicas do Corpo de Bombeiros, tenente coronel Alex Rocha, informou que cerca de 70 homens de quartéis da capital fluminense foram deslocados para a região para dar suporte no resgate de vítimas.