RJ: Central Única de Atendimento à População começa a operar em 2011

Central "1746" é inspirada no modelo "311" de Nova York e vai unificar todos os serviços num único telefone

NOVA YORK -  O prefeito Eduardo Paes afirmou que vai antecipar já para o início de 2011 a entrada em operação do “1746” - a central única que vai reunir num mesmo número todos os telefones de serviço da prefeitura e cujo funcionamento estava previsto somente para o segundo semestre do ano que vem.

Paes tomou a decisão depois de se reunir na tarde desta segunda-feira com o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg. Durante quase todo o encontro que aconteceu no gabinete de Bloomberg, o principal assunto foi a experiência bem-sucedida do “311” – a central nova-iorquina que unificou neste número mais de 40 telesserviços e 15 páginas da lista telefônica e em mais de sete anos de funcionamento já atendeu 100 milhões de chamadas.

- O “311” é a grande inspiração para o nosso “1746”. Com a centralização de todas as chamadas num único número, com uma equipe dedicada exclusivamente a atender e direcionar as demandas da população, Nova York passou a dar respostas mais rápidas e eficientes aos problemas dos seus cidadãos. E mais do que isso: o “311” passou a servir de termômetro do que está acontecendo na cidade, de quais são os principais anseios e reclamações dos moradores. É assim que o Bloomberg sente a cidade e define suas prioridades - afirmou Paes.

- Nós sempre tivemos a convicção de que o cidadão não tem obrigação de saber qual é o órgão certo da prefeitura que pode resolver o seu problema. É a prefeitura que tem a responsabilidade de receber e encaminhar a demanda para que a solução seja a mais ágil possível - disse Bloombreg, que possui em seu gabinete um telão com a contagem das chamadas recebidas pelo “311” em tempo real e um ranking das reclamações do dia.

A central do “1746” - que vai reunir os mais de 30 telefones diferentes existentes hoje na prefeitura do Rio para atender o cidadão - já está em teste. Ainda usando os números atuais, já estão sendo direcionadas para a central as ligações feitas para a Rioluz, o Tapa-Buraco (Conservação) e a CET-Rio.

Quem ligou recebe um protocolo e é dado um prazo de sete dias para seu pedido ser atendido. Serão cerca de 300 operadores capazes de atender 600 mil ligações por mês. E, para estimular a solução ágil das demandas, haverá prêmios anuais aos funcionários das secretarias que superarem as metas de atendimento à população.

- A nossa ideia original era continuar ainda com os testes até o segundo semestre de 2011, incluindo todos os órgãos, para só depois abrir o canal em definitivo para a população. Mas a conversa com o Bloomberg me fez ver que o quanto antes o “1746” entrar em operação para valer, mais a prefeitura vai ter elementos para melhorar o atendimento a população e definir melhor a estrutura para prestar os serviços na cidade. Por isso, no início do ano que vem os cariocas já vão contar com a central telefônica única – disse Paes.

Ainda na pauta da reunião, os dois prefeitos conversaram sobre revitalização de áreas degradadas e educação. Eduardo Paes ficou muito interessado no Departamento de Design e Construção (DDC) que é o principal órgão de projetos da cidade de Nova York, responsável pela criação e renovação de áreas urbanas. Um exemplo de uma área que foi reinventada é o Meatpacking District - antigo local de corte de carnes que já chegou a virar ponto de venda de drogas e prostituição e transformou-se num dos locais mais badalados de Manhattan com seus antigos armazéns e matadouros dando lugar a ateliês, restaurantes e lojas de grife. Paes explicou que algo semelhante está acontecendo no Rio com o projeto de Revitalização da Região Portuária, o “Porto Maravilha”.

Sobre educação, ambos falaram das mudanças que têm sido feitas no sistema de ensino em suas cidades com o foco na qualidade. A prefeitura de Nova York se interessou tanto pela experiência do programa "Escolas do Amanhã" - que tem levado um tratamento diferenciado em período integral aos estudantes de 151 escolas em áreas violentas do Rio - que a secretária municipal de Educação, Cláudia Costin, foi convidada a apresentar na quinta-feira o projeto no Urban Education Summit (o congresso que vai discutir as inovações no sistema de ensino em todo mundo).

Informações da Prefeitura do Rio