Polícia cívil faz operação no aeroporto Tom Jobim para coibir irregularidades

A Prefeitura, por meio da Subsecretaria de Fiscalização (SubF) da Secretaria Municipal de Transportes (SMTR), realizou uma operação em conjunto com a Polícia Civil, na noite desta sexta-feira, dia 12, com o objetivo de fiscalizar as vias de acesso ao Aeroporto Internacional Tom Jobim.

O objetivo da operação era coibir a circulação de veículos em condição irregular. Em duas horas de fiscalização, das 18h às 20h, a SubF flagrou 13 táxis com problemas, entre eles a documentação irregular e o mau estado de conservação do veículo, o que resultou no lacre de nove e na remoção para depósito dos outros quatro.

O Aeroporto Internacional Tom Jobim já vem sendo alvo de ações da SubF desde o início de suas atividades, em fevereiro deste ano, quando foi criada junto à SMTR. Entretanto, a parceria e o bom entendimento entre a Subsecretaria e a Delegacia de Polícia (DP) do Aeroporto possibilitaram no início da realização de ações integradas, como a de ontem, promovida pela DP e que contou com o apoio da Guarda Municipal e da Infraero.

 A SubF vem direcionando ações operacionais para coibir táxis irregulares de forma objetiva, priorizando tanto os pontos de entrada e saída da cidade, como aeroportos e rodoviárias, quanto locais de atração turística. Houve a priorização destes pontos porque estes são os locais que apresentam maior incidência de reclamação por parte dos usuários. Por isso, a SubF também esteve na sexta-feira (12), pela manhã, no Aeroporto Santos Dumont e na Rodoviária Novo Rio. Dos 79 táxis fiscalizados nestes locais, 11 foram retirados de circulação por apresentarem irregularidades.

As operações da SubF são rotineiras pelo município, com foco na verificação do estado de conservação dos veículos que prestam o serviço de transporte urbano à população, como também na documentação exigida pela SMTR para a prestação regular do serviço na cidade. Somente em novembro, 786 táxis já foram fiscalizados pela SubF em diversas localidades do município e, o total de táxis fiscalizados, entre os meses de fevereiro e novembro, chegou a 5.323. Cerca de 30% deste quantitativo foi retirado de circulação.

Em caso de suspeitas de possíveis irregularidades, é fundamental que o usuário forneça às autoridades o máximo de dados possíveis no momento da denúncia, tais como o número de placa do veículo, nome e registro do condutor. E, em casos de coação a taxistas, o motorista que sentir-se vitimado deverá procurar a autoridade policial.