Professora acusada de abusos a menor é demitida

Prefeitura demite matemática que ainda estava em estágio probatório

RIO - A professora de Matemática cristiane Teixeira Maciel Barreiras, de 33 anos, foi demitida pela Prefeitura do Rio. Ela é acusada de abusar de uma aluna de 13 anos na escola municipal Rondom, em Realengo onde dava aulas. A decisão foi publicada no Diário Oficial de hoje (9), no qual consta que ela estava em estágio probatório com duração de dois anos. 

Cristiane ainda passava por avaliação, quando o caso foi descoberto. Idoneidade moral, eficiência, disciplina e assiduidade são alguns dos itens analisados nesse período. A professora foi presa no último dia 27 e indiciada por estupro de vulnerável e corrupção de menores. Em depoimento à polícia ela disse que não se considera pedófila porque se apaixonou e tinha um relacionamento "do coração" com a menor, que confirmou o caso. Uma amiga da menina, também de 13 anos, acompanhava as duas durante os encontros.

O dono do motel onde elas se encontravam também vai responder por infração administrativa por permitir a entrada de duas menores de idade no local, sem autorização e presença dos pais ou responsáveis. O delegado Angelo Lages, da 33ª DP (Realengo) afirma que ele pode ser punido com multa de até 50 salários mínimos ou com o fechamento do estabelecimento. 

O diretor da escola será processado pelos mesmos crimes que Cristiane e por omissão. A mãe da jovem que namorava com a professora disse em depoimento que ele tinha conhecimento do relacionamento da educadora com a menor, o que foi negado por ele. Nas atas da escola, o diretor escreveu à mão que a mãe acusou a professora de tentar aliciar a jovem. 

A mãe disse que chegou a mostrar ao diretor cartas amorosas trocadas pelas duas, o que não foi mencionado nas atas. Somente o relacionamento anormal de carinho entre aluna e e professora foi citado. Sobre essa última acusação, ele disse ter entendido que elas tinham relação do "coração". O homem foi exonerado do cargo pela Secretaria de Educação.

Cristiane foi presa depois que a mãe da menor foi à delegacia para denunciar que a filha estava desaparecida há dois dias. A menina e a professora estariam no motel. A jovem receberá assistência psicológica da prefeitura. A orientação do órgão é de que denúncias de abusos sexuais em escolas sejam informadas à polícia, além de abertura de sindicância administrativa para apuração dos fatos.