Negado pedido de liberdade a falso coronel

A Justiça fluminense negou o pedido de liberdade provisória feito pela defesa do falso coronel Carlos da Cruz Sampaio Junior, que trabalhava desde julho deste ano como Coordenador da Subsecretaria de Planejamento e Integração Operacional da Secretaria de Estado de Segurança. Ele é acusado do crime de porte ilegal de arma de fogo de uso permitido. Carlos esta preso desde 5 de outubro na Polinter do Grajaú, na Zona Norte do Rio. A decisão foi públicada nesta quarta-feira no site do TJ.

A juíza Maria Tereza Donatti, titular da 29ª Vara Criminal da capital, recebeu nesta quarta-feira recebeu nesta quarta-feira, a denúncia do Ministério Público estadual contra o coronel. Para a magistrada, o próprio currículo do denunciado mostra que ele figurou em diversos procedimentos instaurados em Delegacias Policiais e já havia exercido outros cargos na administração pública municipal e estadual. A juíza decidiu acolher o pedido do MP.

Segundo a denúncia do Ministério Público, o acusado “não só agiu em total desrespeito às leis e ao próprio Estado Democrático de Direito. Carlos exercer tarefas próprias da patente de Coronel, como participar de treinamentos de policiais, ministrar aulas de tiro, comandar operações.