Defesa Agropecuária traça ações para campanha de vacinação contra aftosa

RIO - A segunda etapa da Campanha de Vacinação contra a Febre Aftosa começa no dia 1º de novembro, mas equipes de Defesa Agropecuária Animal da secretaria estadual de Agricultura já trabalham para sensibilizar pecuaristas e lideranças fluminenses sobre a importância da vacinação. Durante todo o mês de outubro, técnicos da defesa estão se reunindo com representantes do Ministério Público Estadual, da Federação de Agricultura, Pecuária e Pesca do Estado do Rio (Faerj), do Centro Panmericano de Febre Aftosa (PANAFTOSA) e de entidades municipais para traçar ações que intensifiquem a vacinação em todo o estado.

De acordo com o secretário estadual de Agricultura, Alberto Mofati, todo produtor rural tem um compromisso com a sanidade de seu rebanho.

– O nosso estado é considerado área livre de aftosa, há 13 anos sem o registro da doença em seu rebanho bovino. A participação dos pecuaristas é fundamental para a manutenção do status de Livre da Febre Aftosa com Vacinação e ainda para novas conquistas como a redução das etapas de vacinação por faixa etária – frisou.

O superintendente de Defesa Agropecuária da secretaria estadual de Agricultura, Paulo Henrique Moraes, lembrou que a próxima etapa da vacinação, que começa no dia 1º de novembro e termina no dia 30, não será prorrogada. Segundo ele, o pecuarista deverá adquirir a vacina numa das lojas agropecuárias autorizadas e vacinar seus animais no mês da campanha.

– Logo após a vacinação, ele deverá entregar sua declaração de vacinação no Núcleo de Defesa Agropecuária de sua região ou nos Postos Municipais de Defesa Agropecuária, comprovando a imunização de seus animais. É muito importante manter seu cadastro atualizado – explicou, acrescentando que o formulário é gratuito e pode ser obtido nos núcleos ou lojas credenciadas para a venda de vacinas.

O comprovante é sempre exigido para emissão da Guia de Trânsito de Animais (GTA) nos deslocamentos de bovinos e búfalos e evita que o produtor sofra as penalidades previstas na lei ,como multa e interdição da propriedade.