Rio Top Tour: 5 mil turistas em um mês no Santa Marta

     RIO - Com um mês do programa de turismo Rio Top Tour, já visitaram o Morro Santa Marta, em Botafogo, cerca de cinco mil pessoas. São turistas de todas as idades e de diversos lugares do mundo. O projeto, parceria do governo do Estado com o governo federal, visa a capacitar os moradores locais como monitores e empreendedores na atividade turística.

A Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) é a grande responsável pelo interesse dos visitantes em conhecer a comunidade. De acordo com a guia Ana Lúcia Torres, a pacificação foi um chamariz por garantir livre acesso ao morro. Ela acredita que a procura vai aumentar com a proximidade da Copa do Mundo no Brasil, em 2014, e das Olimpíadas, em 2016.

Assim como Ana Lúcia, Fabíola Viveiros é uma dos 20 guias que trabalham no projeto. Elas fazem parte do curso técnico de Turismo do Colégio Estadual Antônio Prado Júnior, na Tijuca. Para Fabíola, está sendo uma experiência especial, já que ela nunca havia vivenciado o dia a dia em uma comunidade carente.  – Fiquei bastante empolgada quando soube que faria estágio aqui. É uma novidade a cada dia, uma experiência de vida e o pessoal da comunidade é bem receptivo. Eles ajudam e gostam do projeto, até porque o que os beneficia também é bom para o turista, como o bondinho – explica a guia.

A maioria dos moradores do Santa Marta recebeu o Rio Top Tour de braços abertos. Alguns ainda resistentes já estão se interessando e aceitando as visitas. O comerciante Paulo Roberto mora no morro há 42 anos e há sete tem um bar. Segundo ele, o programa de turismo trouxe novas oportunidades de negócios para a comunidade.  – Consegui montar uma barraca ao lado da Laje do Michael Jackson para vender camisas. Até pouco tempo, não dava para imaginar que o morro Santa Marta seria um ponto turístico da cidade. Estou tentando melhorar o meu negócio e estou aprendendo um pouco de inglês e espanhol para me comunicar melhor com meus novos clientes – afirma Paulo.

O carioca Cláudio Wegenast passou um dia como turista na comunidade. Atualmente, ele mora em Niterói e foi visitar o local por uma razão: apreciar a vista da Laje do Michael Jackson. Além desse espaço, a Praça do Cantão, onde se realizam atividades culturais e festas, o Pedrão, mirante natural com vista para a enseada de Botafogo, e a estação do bondinho são os principais pontos de interesse turístico e de curiosidade.

A major Priscilla de Oliveira, que comanda a UPP, garante que iniciativas como o Rio Top Tour trazem melhorias na parte econômica e social para os moradores.  – O projeto de apoio e investimento no turismo aqui no morro Santa Marta é importante em vários aspectos, principalmente, com a nova geração de renda. Antes, os comerciantes ganhavam dinheiro indiretamente com o tráfico e, hoje, seus clientes são os turistas e os próprios moradores. Estão em uma nova realidade, com as portas abertas para uma melhoria geral – disse.

Hoje, já são 12 comunidades pacificadas no Rio de Janeiro. Na Grande Tijuca, há unidades no Salgueiro, Borel, Turano, Formiga e Andaraí. Também no Pavão-Pavãozinho/Cantagalo, entre Ipanema e Copacabana, Chapéu Mangueira e Babilônia, no Leme, Ladeira dos Tabajaras e dos Cabritos, em Copacabana. Assim como há no Jardim Batan, em Realengo e na Cidade de Deus, em Jacarepaguá. O morro da Providência também já está pacificado e é o próximo que ganhará o Rio Top Tour.