Afastados policiais de blitz em que juiz foi baleado no Rio

A Polícia Civil do Rio de Janeiro informou nesta segunda-feira que os seis policiais que participaram da blitz em que o juiz federal Marcelo Alexandrino da Costa Santos, 39 anos, e duas crianças foram baleados, na madrugada de domingo, foram afastados. O magistrado pensou ser uma blitz falsa e tentou desviar dos policiais, mas seu carro foi atingido por tiros de fuzil.

Hoje, o chefe da Polícia Civil, Allan Turnowski, disse que há indícios no veículo do magistrado, um Kia Cerato vermelho, de que o policial que atirou com um fuzil mirou no automóvel. "Eu vi que tinham quatro tiros agrupados no carro. Com a experiência que a gente tem, imediatamente vimos que não é tiro perdido. Alguém mirou", afirmou.

Turnowski não descartou, no entanto, a existência de uma troca de tiros com bandidos que estariam em um Honda Civic à frente do magistrado. De acordo com ele, os detalhes da ocorrência serão esclarecidos ao longo da investigação. Turnowski garantiu que a punição aos policiais que atiraram será agravada, caso seja evidenciada a produção de uma versão falsa.

"Em nenhum momento a polícia afirmou a existência de um Honda Civic. O policial, sob estresse, pode cometer um erro humano. Isso não é aceitável, mas podemos admitir o erro policial. O que não podemos admitir é inventar uma outra história para corrigir o erro", afirmou. A sogra do juiz afirmou que os tiros partiram dos policiais que participavam da blitz.

Mesmo baleado, ele conseguiu dirigir até o Hospital Cardoso Fontes, em Jacarepaguá, e bateu no muro da instituição. A enteada do magistrado, de 8 anos, foi atingida por uma bala no tórax, teve hemorragia e está internada em estado grave. O filho do juiz também foi baleado no tórax. A bala atingiu o pulmão, o diafragma e o fígado. Ele também está internado em estado grave. As duas crianças foram encaminhadas para o CTI pediátrico do hospital.

 

Juiz tem alta de CTI

Santos recebeu alta do Centro de Tratamento Intensivo (CTI), do Hospital Pasteur, no Méier, nesta segunda-feira, e foi transferido para um quarto particular. Ele teve ferimentos no pulmão e na costela, devido aos disparos. Segundo a equipe médica, o paciente está lúcido, estável, colaborativo, respira sem aparelhos e está reagindo bem ao tratamento.