Prefeito do Rio assina com a Caixa acordo que libera verba para obras do Porto Maravilha

Serão investidos R$ 3,5 bi do FGTS na segunda fase do projeto de revitalização da região portuária

       RIO - O prefeito Eduardo Paes e a presidente da Caixa Econômica Federal, Maria Fernanda Ramos Coelho, assinaram um acordo de investimentos que libera a primeira parcela dos R$ 3,5 bilhões do FGTS que serão investidos na segunda fase do projeto Porto Maravilha, de revitalização da região portuária. Para o início das obras da segunda etapa, previstas para o primeiro trimestre do ano que vem, já estão disponíveis R$ 877 milhões. De acordo com Paes, essa segunda fase é a mais importante do projeto e destaca-se por não utilizar recursos públicos e levar benefícios à população.

- É um grande projeto com recursos privados. As obras incluem toda a infraestrutura da região portuária, incluindo a construção de um túnel e a demolição do Elevado da Perimetral. Teremos uma mudança muito importante nas características da área: a região se revitaliza, ressurge, os imóveis são valorizados e surgem novas ofertas de emprego. É um projeto a longo prazo, que a cidade esperou muito tempo para acontecer - disse.

O uso de recursos do FGTS nessas intervenções foi autorizado pelo Conselho Curador do Fundo em julho. As obras da segunda fase do projeto Porto Maravilha, que prevê a demolição do Elevado da Perimetral e outras importantes intervenções viárias, além da reurbanização de 40 quilômetros de vias, serão fruto de uma PPP (Parceria Público Privada). A empresa concessionária será conhecida em outubro, após a conclusão do processo de licitação.

O secretário municipal de Desenvolvimento, Felipe Góes, também destacou a importância da segunda fase do Porto Maravilha. - Hoje é um dia histórico para o Porto Maravilha e simbólico porque estamos fazendo aqui a assinatura de um acordo de investimento entre a Caixa e a Prefeitura. Com isso a gente confirma que no começo do ano que vem a gente inicia a segunda fase do projeto, que são os investimentos mais importantes de revitalização dessa região. Existem três conceitos que são fundamentais nessa operação: o primeiro é a recuperação do Centro, o segundo é a necessidade de realizarmos aqui um desenvolvimento do uso residencial e o terceiro é o trabalho conjunto dos três níveis de governo - ressaltou.

O Projeto Porto Maravilha está dividido em duas fases. A primeira já está em andamento desde junho de 2009, com recursos na ordem de R$ 350 milhões da Prefeitura e do governo federal e inclui intervenções urbanísticas em todo o bairro da Saúde e no Morro da Conceição, além da construção do Museu do Amanhã e do Museu de Arte do Rio. Além disso, está prevista a recuperação da Praça Mauá e de 13 vias da região; restauro da Igreja de São Francisco da Prainha; e criação de 530 unidades residenciais através do programa Novas Alternativas. Outra obra que está sendo realizada com esse recurso é o novo acesso viário para o Porto diretamente pelo Caju, que está sendo concluído.