Governo do Rio implode pedras que obstruíam avenida há quase seis meses

Dois grandes blocos de pedras foram implodidos pelo Instituto de Geotécnica do Rio de Janeiro (Geo-Rio) na encosta da avenida que liga as praias da Prainha à Grumari, na zona oeste da cidade. A avenida está interditada há quase seis meses, mas somente hoje os dois blocos de rocha, que juntos pesam 12 mil toneladas e que ofereciam risco à via, foram dinamitados. Parte da avenida foi destruída devido ao deslizamento de pedras pelas fortes chuvas de abril. Desde então, a via está obstruída.

Após a implosão, que utilizou 800 quilos de dinamite, serão iniciados os trabalhos para a contenção, cujo término está previsto para fevereiro de 2011. Porém, segundo a Geo-Rio, a avenida estará liberada para tráfego já durante as obras, em dezembro deste ano.

A Geo-Rio informou, em nota, que as obras de desobstrução não pararam e que está trabalhando desde o dia 6 de abril na limpeza da via para desobstruí-la. Segundo a Geo-Rio, a primeira implosão ocorreu no dia 30 de abril, quando 22 blocos de rocha foram dinamitados e a segunda em maio, destruindo 2 mil metros cúbicos de pedras. O instituto ressaltou que “de lá para cá, paralelamente aos trabalhos em andamento, fez um levantamento geológico-geotécnico da área e constatou a existência de duas grandes pedras”.

Ainda de acordo com a Geo-Rio, a prefeitura está investindo R$ 4,6 milhões nos serviços de contenção, que vão desde a construção de muros, até a drenagem superficial do local. Antes da implosão, o instituto já havia retirado 8 mil metros quadrados de material deslizado da avenida.

A Prainha e o Grumari são praias da região da Barra da Tijuca e ficam em uma área de reserva ambiental. A Avenida Estado da Guanabara é a única via de acesso ao local, conhecido pela tranquilidade e pela prática do surfe.