Secretários trocam carro por bicicleta para ir trabalhar

Ir de casa para o trabalho, na manhã desta quarta-feira, pedalando foi a forma como os secretários do Ambiente, Marilene Ramos, e de Transportes, Sebastião Rodrigues, encontraram para participar do Dia Mundial Sem Carro e para promover a consciência da população motorizada a deixar o carro em casa e ir para ao trabalho de bicicleta ou através dos meios de transporte de massa, contribuindo para a diminuição das emissões de gases na atmosfera e desafogando o trânsito. O esforço valeu a pena: a vista em todo o percurso é linda, o que reforça a adesão à proposta.

 

Os dois secretários, acompanhados de funcionários das respectivas pastas, fizeram um percurso inverso pela ciclovia da orla marítima: Marilene Ramos saiu de Ipanema, na Zona Sul do Rio, e Rodrigues, da Praça XV, no Centro – morador de Niterói, ele atravessou a Baía de Guanabara de barca. Marilene seguia para a Zona Portuária, onde fica a sede da Secretaria do Ambiente, e Rodrigues, para Copacabana, onde está seu gabinete. Suados e um pouco ofegantes, até porque o calor era forte já de manhã, encontraram-se, por volta das 9h nas proximidades do Monumento a Estácio de Sá, no Aterro do Flamengo.

 

– A ideia é que, no dia de hoje, a população em geral, os governantes, os políticos, os empresários parem para pensar em como fazer para termos uma cidade com menos transporte poluente, com meios de transporte mais limpos – propôs a secretária.

 

O uso de bicicleta, para Marilene, é viável, desde que o ciclista tenha as condições adequadas. Uma dessas é a adesão dos donos de empresas. Segundo ela, os funcionários que optarem pelo uso de bicicleta para chegar ao trabalho precisam ter um local onde possam tomar banho, trocar de roupa e ter um escaninho onde possam guardar o vestuário e um lugar para deixar a bicicleta.

 

– Portanto, as empresas que desejarem estimular seus empregados a usar esse meio de locomoção têm de providenciar as instalações. O que é bom pra todos: para o empregado que vai ficar com melhor forma física e para a empresa, que terá um funcionário mais saudável – argumentou Marilene Ramos.

 

O secretário de Transportes, por seu lado, disse que o ato simbólico de hoje pretende mostrar à sociedade que o uso da bicicleta e dos meios de transporte de massa é a melhor alternativa para diminuir os engarrafamentos e a poluição da cidade, mas admitiu que é um dever do poder público criar as condições adequadas. Ele garante que o governo do estado está fazendo a sua parte.

 

– Temos na Secretaria de Transportes um programa, o Rio, Estado da Bicicleta, que incentiva o uso desse veículo com a construção de ciclovias e a implantação de bicicletários, não apenas na capital, mas também no interior. Inclusive, vou hoje à tarde a Maricá para inaugurar um bicicletário e fazer um passeio ciclístico – informou o secretário.

 

Rodrigues também listou uma série de medidas do governo estadual para melhorar os meios de transporte de massa nos próximos anos.

 

– Acabamos de comprar 30 trens para a Supervia, que vão começar a chegar no próximo ano, e 19 para o metrô, também com início de chegada em 2011. Vamos expandir o metrô para a Barra da Tijuca e para São Gonçalo e Itaboraí. Estamos fazendo estudos para investimentos em barcas, com a compra de novas embarcações e abertura de outras linhas. E a Prefeitura do Rio também está fazendo corredores rodoviários, as chamadas BRTs. No próximo ano, já vamos começar a sentir a diferença – listou o secretário de Transportes.

 

Rodrigues disse que o BRT da Avenida Brasil é um projeto feito pela Secretaria de Transportes que a prefeitura encampou e vai executar.

 

– É um projeto maravilhoso. Funciona mesmo, como vi em Bogotá e em Istambul. Na África do Sul também estão implantando. É um serviço que a população vai gostar, porque é seletivo, só passam os ônibus. Os BRTs vão mudar a cara do Rio de Janeiro – apostou Rodrigues.

 

O Dia Mundial Sem Carro foi instituído na França, na década de 1990. O movimento vem conquistando adesões de diversas cidades de diferentes países desde então. No Brasil, além do Rio, Florianópolis, Porto Alegre, Belo Horizonte e Niterói participam da mobilização.