MP-RJ pede a prisão de 11 membros de quadrilha de traficantes

Portal Terra

RIO - O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) denunciou e pediu a prisão preventiva de 11 suspeitos de integrar uma facção criminosa que coordenava o tráfico de drogas na Ilha do Governador desde 2006. Segundo o MP, a região servia de posto avançado dos traficantes do Complexo do Alemão.

Entre os denunciados, Roseli dos Santos Costa, conhecida como Rose Peituda, é apontada como chefe do tráfico no morro do Barbante, na Ilha do Governador. Ela teria organizado a estrutura criminosa local depois que a Polícia Militar expulsou a milícia e seu companheiro, André Luiz Santos, o André Negão, morreu.

De acordo com a denúncia, após a prisão de Roseli, em janeiro de 2009, passaram a compartilhar o comando da quadrilha os denunciados Wagner Barreto de Alencar, o Cachulé, e Marcos Felipe Pereira Teles, o Vascaíno, companheiro de Rose na época. Vascaíno foi gerente-geral do grupo e fazia a compra, distribuição e abastecimento das drogas nas bocas de fumo. Ele também atuaria repassando ordens de Rose Peituda aos demais integrantes da organização criminosa. Posteriormente, com a prisão e o afastamento de Wagner e Marcos Felipe, a chefia do comércio ilegal foi novamente transferida ao denunciado Marcelo Gomes Ribeiro, que passou a comandar toda a quadrilha, depois de prévia autorização de Rose Peituda.

Também foram denunciados Vilson Angelo Livramento de Almeida, Nilton Carlos Mota dos Santos de Brito, Flavio Alves de Oliveira, Daniel Braz Martins, Orinei Silva de Castro, Alexandre Fernandes de Souza e José Alan de Lima Souza. Alguns dos denunciados já estão presos e, com exceção de Alexandre Fernandes de Souza, já tinham passagem pela polícia, inclusive por crime de tráfico de drogas.

Além dos pedidos de prisão, o MP também solicitou a instauração de inquérito policial pela 37ª DP (Ilha), para identificar mulheres e taxistas que guardavam e transportavam as drogas do Complexo do Alemão para o morro do Barbante, e pela Delegacia Proteção da Criança e do Adolescente, para apurar a participação de dois adolescentes infratores na quadrilha.