MP denuncia Nem e 9 comparsas por invasão a hotel em São Conrado

Portal Terra

DA REDAÇ O - O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro denunciou nesta terça-feira o suposto chefe do tráfico de drogas na favela da Rocinha, Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, pela invasão ao hotel Intercontinental após confronto com a polícia, no dia 21 de agosto. Também foram denunciados nove presos por participação no tiroteio nas ruas de São Conrado.

Conforme a investigação, os denunciados e demais integrantes da associação criminosa Amigo dos Amigos transformaram as ruas da cidade em "cenário de guerra, desferindo inúmeros tiros com armas de grande potencial ofensivo, causando pânico e insegurança à população".

No dia 21 de agosto, um grupo de criminosos da favela da Rocinha entrou em confronto com a Polícia Militar e invadiu o hotel, em São Conrado, onde fez 35 reféns, entre funcionários e hóspedes. Na troca de tiros na rua, uma mulher apontada como integrante da quadrilha morreu. Após negociação, dez homens se renderam e foram presos. Um deles, é menor de idade.

Nem foi denunciado pelos crimes de associação para o tráfico e posse de arma de fogo de uso restrito. Os outros nove homens vão pelos crimes de associação para o tráfico, posse de arma de uso restrito, cárcere privado e resistência.

De acordo com a denúncia, o bando se deslocava entre as favelas do Vidigal e da Rocinha quando se depararam com viaturas da Polícia Militar e investiram contra os policiais, iniciando intensa troca de tiros. Em seguida, parte do grupo invadiu o hotel e fez reféns por um período de três horas.

O documento cita também que, após a prisão do grupo, foi apreendido um grande número de armas, munições e explosivos, além de telefones celulares, rádios de comunicação, coletes à prova de balas e camisas com a inscrição "Polícia do Exército". A denúncia foi oferecida pela promotora de Justiça Taciana Dantas Carpilovsky.