Acidente com catamarã será investigado pelo MP

Jorge Lourenço, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Uma suposta falha mecânica fez o catamarã social Ingá II chocar-se contra as pedras perto da estação Arariboia, em Niterói. O acidente deixou 18 feridos, sendo dois deles tripulantes. Segundo a Barcas S/A, o comandante da embarcação jogou-a contra a praia para evitar um choque com outra barca.

Por causa de problemas recentes com o serviço, o Ministério Público notificou a Barcas S/A. O promotor Carlos Andrezano lembrou que a concessionária firmou um termo de ajuste de conduta em 2007 no qual se comprometia em melhorar os serviços prestados. Se descumprir o acordo, a concessionária pode receber multa de R$ 3 mil por dia.

A Agetransp e a Capitania dos Portos anunciaram, em nota, que vão ingestigar o acidente e apurar a responsabilidade das Barcas S/A.

Essa foi a segunda grande falha das Barcas S/A em menos de uma semana. Na quinta-feira passada, um aumento de 13% no número de passageiros causou atrasos e confusão na estação Arariboia.

Passageiros

A concessionária que administra as barcas garantiu ter seguido os procedimentos corretos para esvaziar o catamarã. Para o gerente de Logística da Barcas S/A, Mário Góes, o incidente é pequeno quando comparado ao número de viagens que a empresa faz.

Pequenos acidentes podem acontecer em um universo de 150 viagens por dia disse o gerente. Ninguém precisa preocupar-se, já que os procedimentos são tomados para dar segurança aos passageiros.

No entanto, passageiros que estavam no Ingá II no momento do acidente têm outra versão da história. Além da falta de instrução no momento da batida, eles dizem que partiu dos próprios usuários a decisão de usar coletes salva-vidas.