Turista carioca: últimas chances

Carolina Monteiro, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - O carioca se orgulha de dizer que o Rio é a Cidade Maravilhosa, mas muitos não conhecem grande parte de seus atrativos. Para reverter este quadro, o projeto Carioquinha oferece descontos em pontos turísticos e atrações na cidade para quem nasceu ou mora no Grande Rio. Na edição deste ano, que termina na próxima quarta-feira, a procura foi recorde, chegando a quase 300 mil visitas ao portal do projeto na internet, 138% a mais que na edição passada. Para muitos cariocas, foi uma oportunidade de, pela primeira vez, conhecer símbolos da cidade.

Uma amiga me contou que, até o fim do mês, eu poderia vir conhecer a cúpula do Planetário, pagando a metade do preço vibrava a estudante Fernanda Proença, 22. Foi mágico! Recomendo a todos o passeio.

O Pão de Açucar, um dos pontos tradicionais da promoção, atrai anualmente 20 mil cariocas a mais durante a vigência do projeto. Entre essas pessoas, que representam um aumento de 25% na frequência, muitas vêm pela primeira vez.

Eu sempre via o bondinho quando passava por Copacabana e Ipanema, e ficava na expectativa de ir e conhecer diz o promotor de eventos, Marcelo Dias Jr, 31, que pagou metade da tarifa de R$ 44. Embora eu more no Rio há 30 anos, só vim agora.

Participando do Carioquinha pelo segundo ano, o navio Pink Fleet, que faz passeios pela Baía de Guanabara, teve que disponibilizar viagens extras para suprir a demanda 50% maior.

Já queria fazer o passeio havia muito tempo, mas, por causa do preço, não tinha vindo conta a produtora de eventos Chrystiane Baêta. Pode parecer besteira, mas foi muito legal passar embaixo da Ponte Rio-Niterói.

Apesar de muitos cariocas aproveitarem os descontos, ainda existem pessoas que não sabem do projeto. É o caso dos irmãos William, 23, e Wallace Correia, 22.

Pagamos o preço integral do ingresso lamentou William, já no morro da Urca. Agora que sei do desconto, quero voltar com a minha namorada, a identidade ou uma conta que comprove minha residência na cidade.

Este ano, só o Cristo Redentor ficou de fora, por causa das chuvas que prejudicaram o acesso.