Hospital universitário deve mudar de endereço

Flávio Dilascio, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Hospital da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o Clementino Fraga Filho, na Ilha do Fundão, deverá mudar de endereço. Com parte de sua estrutura abalada e interditada, o hospital pode ocupar novo prédio, a ser construído em local próximo. Com a mudança, as atuais instalações, depois de reformadas, passarão a abrigar salas de aula da universidade.

Este prédio é inadequado para sediar uma unidade hospitalar. Os acessos são ruins, as estruturas são muito grandes, o que contribui para a proliferação de infecções hospitalares afirmou o reitor da UFRJ, Aloísio Teixeira. De forma alguma vamos demolir o edifício todo. O que pode ser feito é uma demolição apenas da parte que está abalada e interditada, caso isso seja mais viável do que fazer a recuperação.

Diretor da unidade, José Marcus Eulálio é defensor desta última hipótese.

Minha opinião é de que se deve demolir a parte comprometida, construindo uma nova unidade do Clementino Fraga Filho no local e, posteriormente, transferindo todo o hospital para esse novo espaço disse o diretor.

Quatro dias depois da interdição parcial, um boato de tremor assustou os cerca de 300 funcionários que trabalhavam nesta quinta-feira de manhã no hospital. O prédio chegou a ser evacuado, embora a diretoria tenha negado qualquer tipo de abalo. As Defesas Civil do estado e do município estiveram no local, mas nada constataram.

As pessoas ficaram assustadas com algum ruído, o que gerou pânico explicou Eulálio.

Os problemas no hospital começaram na madrugada de segunda-feira, quando quatro colunas cederam na parte conhecida como perna seca. Por segurança, em cada um dos 13 andares, 150 metros quadrados foram interditados, e sete salas cirúrgicas e duas UTIs foram fechadas. Desde segunda, cerca de 1.500 pessoas já deixaram de ser atendidas nos ambulatórios e 105 cirurgias foram canceladas.