Imóveis irregulares na Zona Sul são contestados

Lira Fraga, Jornal do Brasil

RIO - Mais de 500 imóveis irregulares ocupam áreas tombadas pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Nacional do Rio de Janeiro, no bairro do Jardim Botânico e no seu entorno, que abrange parte do Horto e da Gávea. Dentre eles, moradias e estabelecimentos comerciais.

Alfredo Piragibe, presidente da associação de moradores e amigos do Jardim Botânico ressalta o perigo das invasões nessas áreas de preservação, que se estendem por mais de cem hectares de Mata Atlântica:

Essa área é especial, de interesse social. Temos que nos preocupar com a preservação do nosso bairro e diferenciar, por exemplo. os moradores que receberam terras cedidas pelo Jardim Botânico, por serem funcionários do instituto, daqueles que invadiram.

Ricos também

De acordo com Carlos Fernando Andrade, superintendente regional do Iphan no Rio de Janeiro, além de pessoas de baixo poder aquisitivo, muitas casas de classe média, com carros de luxo na garagem, se localizam numa área nobre do bairro da Gávea, em locais impróprios para construção.

Rodrigo Guardatti, chefe de gabinete do Instituto Jardim Botânico informou que algumas áreas próximas a encostas estão condenadas, e as casas correm o risco de desabarem.

São ex-funcionários que estão lá desde os anos 50. Estamos buscando fazer um projeto de reintegração desses imóveis, essas irregularidades acarretam danos irreversíveis frisou Rodrigo Guardatti.