Governo não têm controle sobre 250 parques

Luiz Urjais, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Existem 250 parques de diversão no estado do Rio e, apesar de todos serem obrigados a entregar ao Corpo de Bombeiros relatórios de segurança, de seis em seis meses, esses dados não são confiáveis, como mostrou a morte de uma mulher no sábado na Terra Encantada, na Barra da Tijuca.

Segundo o diretor-geral de diversões públicas do Corpo de Bombeiros, coronel Roni Alberto de Azevedo, dos 250 parques, cerca de 80% são itinerantes e regulamentados. Mesmo assim, isso não é garantia de segurança nos brinquedos.

Tem gente que tem um terreno baldio, por exemplo, e monta um parque ali para ganhar dinheiro. Sobre estes, não há nenhum controle. ressalta Azevedo. Por isso, é importante as pessoas verificarem com o Corpo de Bombeiros se determinado parque é legalizado.

Líder comunitário da Rua Gonçalves, no Catumbi, Antônio Luiz da Silva, conta que, na festa junina do ano passado, um menino de 12 anos ficou preso no alto da roda-gigante. Escaldado, este ano ele contratou um parque legalizado no Corpo de Bombeiros.

Este parque entregou toda documentação necessária, mas nem assim temos uma ambulância para primeiros socorros. admite Silva, que temeu pelo pior no acidente de 2009. Se não fosse a esperteza do menino em entender que tinha que ficar quieto, e a união de todos da comunidade para buscar uma escada e socorrê-lo, não sei o que teria acontecido.

A dona-de-casa Ester dos Santos, porém, não confiou nas garantias do vizinho e impediu sua filha, de 5 anos, de brincar no parque.

Todos os brinquedos estão enferrujados. Só de olhar você percebe. É um perigo para as crianças.

Mas a doméstica Maria Eudenes não teve medo e deixou a filha, de 9 anos, se divertir.

Como são poucas as vezes que atrações como essa vêm à comunidade, nem temos como reclamar muito. lamentou Eudenes. É melhor assim do que não ter nada.

Engenheiros terão que explicar

seu laudo

O Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio de Janeiro (Crea-RJ) convocará, na próxima semana, os engenheiros responsáveis pela manutenção dos brinquedos do parque Terra Encantada, na Barra, onde, no sábado, morreu a cozinheira Heydiara Lemos Ribeiro, 61, que caiu da montanha-russa. Eles serão questionados sobre os laudos da última vistoria, em fevereiro, que atestaram o bom funcionamento de todos os equipamentos.

Segundo o presidente do Crea-RJ, Agostinho Guerreiro, a ação é para apurar responsabilidades sobre o caso e prevenir novos acidentes.

Se eles forem culpados, poderão perder o registro profissional. Ao fim do relatório, entregaremos os resultados à Defesa Civil, Ministério Público e órgãos que estão investigando o acidente.

Um dos engenheiros responsáveis pela manutenção dos brinquedos, Arlen Sandeuscristo, prestou depoimento na tarde desta quarta-feira na 16ª Delegacia Policial (Barra). Ele afirmou que realizava vistorias mensais e não entendeu o que aconteceu com a trava da montanha-russa.

Filha depõe

Nesta quarta-feira, o delegado titular da 16ª, Rafael Willis, foi à casa de Iguaciara Lemos, 41, filha de Heydiara, para tomar um novo depoimento. Segundo ele, que não quis detalhar o que foi dito, novas informações serão acrescentadas à investigação.