Desde 1991, o abril mais calmo

Marcos Eduardo Neves, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Que o Rio de Janeiro continua lindo, é sabido. Mas, segundo o Instituto de Segurança Pública (ISP), está mais seguro também. Os números de roubos de rua, de veículo, de latrocínios e de homicídios caíram substancialmente. O destaque fica por conta dos homicídios dolosos, pois nunca houve um abril como o de 2010: desde 1991 é o menor número de vítimas deste tipo de crime: 434. Uma queda de 19,9% em relação a abril do ano passado, quando o registro apontou 542 assassinatos ou seja, 108 mortes a mais.

De acordo com o consultor em segurança Vinicius Cavalcante, ocorreu, para se chegar a tal recorde, uma série de fatores decisivos.

Os homicídios com intenção de matar diminuíram muito em comunidades antes dominadas pela criminalidade. E isso surte visível efeito nos números finais.

Em relação a fevereiro, março e abril, a diminuição, segundo o ISP, foi da ordem de 17%, se comparada com o mesmo período de 2009. Um total de 286 vítimas a menos. Para Cavalcante, as UPPS (Unidades de Polícia Pacificadora) contribuem pouco para isso. E ainda assim, indiretamente.

Os criminosos vêm dando trégua indica Cavalcante, que enxerga uma correlação direta, sim, entre tráfico de drogas e mortes violentas. As facções passaram a sentar mais para conversar; perceberam que estão perdendo a guerra. Aquelas batalhas campais entre elas, que suscitavam muitas baixas principalmente graças a invasões de morros, deixaram de acontecer. As mortes por atacado diminuíram, mas o Rio ainda é violento e não há muito o que se comemorar, já que as mortes no varejo ainda seguem ocorrendo nas ruas.

Melhor que São Paulo

Vale ressaltar que, no Estado de São Paulo, o índice de homicídios dolosos cresceu cerca de 7% no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2009. E, de acordo com dados do Instituto Sangari, que recentemente publicou o Mapa da Violência 2010, em 18 dos 27 estados brasileiros houve incremento nas taxas de homicídios na última década. Em Alagoas, Maranhão e Minas Gerais, por exemplo, os números aumentaram mais de 150%.

O ISP apresentou ainda em seu relatório significativas reduções em outros três indicadores estratégicos estabelecidos pela Secretaria de Estado de Segurança. De acordo com o órgão, se comparado ao mesmo mês de 2009, abril último registrou 526 roubos a menos de veículos e 16 casos a menos de latrocínio (roubo seguido de morte). Já os roubos de rua que englobam os a transeunte, os de aparelhos celulares e os ocorridos em coletivos estes diminuíram em 978 casos.

Entre as ocorrências que aumentaram, estão o furto houve 225 casos registrados a mais e o desaparecimento (acréscimo de oito registros).