Excesso de velocidade representa quase metade das infrações, em 2010

Thiago Feres , Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Dados divulgados pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran) mostram que, somente nos quatro primeiros meses deste ano (de janeiro até abril), quase metade das 968.862 multas aplicadas no município do Rio foi por excesso de velocidade. São 409.296 casos de tráfego em velocidade até 20% superior à máxima permitida, o que representa cerca de 42% do total. Esse tipo de infração lidera com folga o ranking do Detran, seguido pelo avanço de sinal vermelho com fiscalização eletrônica (166.780). Mesmo com alguns radares limitando a velocidade em 40 ou 50 km/h, considerada baixa, a atitude dos motoristas é reprovada por especialistas.

Se as punições resolvessem, o carioca já teria contido esse ímpeto de acelerar analisa o engenheiro especialista em transporte, Marcos Quintanilha. Nós precisamos de fortes campanhas educativas para a população acordar e perceber que o trânsito precisa ser levado com mais seriedade, onde não existe espaço para brincadeira ou distração. O que os motoristas de ônibus aprontam na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, por exemplo, é coisa de cinema. Parece que existe um anjo de plantão em cada esquina para evitar acidentes.

Como se não bastasse, outras 45.651 multas foram aplicadas no mesmo período em motoristas que transitaram em velocidade superior à máxima permitida em mais de 20% e até 50%. Outros 3.990 motoristas foram punidos ao circularem acima de 50% do limite permitido. Segundo o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), a infração é considerada grave e prevê o pagamento de 120 Ufirs, além da perda de cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação.

A legislação parece ser ignorada pelas equipes que promovem encontros de possantes carros. Muitos jovens investem altas quantias para transformar veículos da década de 80 em verdadeiras máquinas. E os muitos cavalos de potência acabam sendo testados nas ruas da cidade.

Quem disser que gasta a grana só pelo prazer de ver o carro sendo transformado está mentindo afirma um jovem de 22 anos que gastou R$ 20 mil na reforma de um Chevette ano 1987. Gastar tudo isso e não ter o prazer de testar os limites do carro numa avenida ou via expressa do Rio não tem graça. O carioca é apaixonado por velocidade.

Apesar da fiscalização eletrônica, as vias expressas como as linhas Vermelha e Amarela e as avenidas da Barra da Tijuca (Américas, Ayrton Senna e Lúcio Costa antiga Sernambetiba) são apontadas por especialistas como aquelas em que mais se cometem infrações por excesso de velocidade. O Aterro do Flamengo também é um lugar onde motoristas irresponsáveis ultrapassam os limites.

Nos quatro primeiros meses do ano, em todo o estado, foram aplicadas 1.370.968 multas.

Quantos mortos o governo quer que tenhamos por ano para começar a tomar medidas efetivas contra a violência no trânsito? indaga o presidente da ONG Trânsito Amigo, Fernando Diniz, que perdeu o filho num acidente na Avenida das Américas, na Barra da Tijuca, em 2003. Por ano, no Brasil, morre no asfalto o equivalente ao número de soldados americanos no Vietnã durante uma guerra que durou 13 anos (43 mil). Ao contrário do que muitos dizem, não temos uma indústria de multas no país, mas sim uma grande indústria de infrações de trânsito.