Um dia de louvor a São Jorge

Marcelo Fernandes, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Imortalizado ao longo da história, personagem de músicas, símbolo do guerreiro, São Jorge teve seu dia comemorado nesta sexta-feira pelos cariocas em diversos pontos da cidade. Milhares de fiéis saíram às ruas para celebrar.

A concentração começou cedo, quando o arcebispo da Arquidiocese do Rio de Janeiro, dom Orani João Tempesta, comandou a primeira cerimônia, na Igreja de São Jorge, no Campo de Santana, Centro do Rio, ainda na madrugada. O sacerdote realizou uma verdadeira maratona no feriado: esteve também na igreja matrtiz do santo, em Quintino (Zona Norte), e depois partiu em uma carreata até a quadra da escola de samba Estácio de Sá.

Depois, o arcebispo acompanhou junto aos fiéis a apresentação de um grupo teatral que encenou a lenda do santo guerreiro na Igreja da Ressurreição, no Arpoador. Os atores contaram a história de Jorge com a ajuda de efeitos pirotécnicos, incluindo um ator sobre pernas de pau fantasiado de dragão e cuspindo fogo.

Para a autoridade máxima da igreja católica no Rio, São Jorge representa bem os cariocas por simbolizar a luta para vencer as adversidades enfrentadas pelo povo:

Não sei se é o santo mais devotado pelos habitantes daqui, já que estou há pouco tempo na cidade, mas é um dos mais celebrados, sem dúvida. São Jorge é uma unanimidade, e representa a luta contra as adversidades, que hoje se encontram nas tragédias das enchentes e na sedução das drogas para os jovens.

Dom Orani ainda celebrou mais uma missa, no Forte de Copacabana, antes de acompanhar a carreata de volta ao Centro e terminar o dia na tradicional cavalgada no Largo do Bodegão, em Santa Cruz (Zona Oeste). Ele reiterou sua posição de estar perto do povo nas celebrações religiosas.

Eu falei que gostaria de estar sempre perto do povo, e é o que estou fazendo comentou, entre um compromisso e outro.

Motociata acompanha santo

Os católicos também não tiveram problemas com a Secretaria de Ordem Pública (Seop). Segundo a assessoria do órgão, não houve atuação de reboques no entorno da igreja de Quintino, que teve algumas vias fechadas nas imediações. Para reprimir a desordem, atuaram 215 guardas e 40 fiscais, além de 16 barreiras operacionais. No Centro, foram 125 guardas municipais, 20 agentes e seis barreiras, também sem registro de reboques ou multas.

Centenas de motociclistas acompanharam a imagem de São Jorge durante as procissões pela cidade. Para a advogada Alini Capello, de 54 anos, o evento é um marco entre os motoclubes.

A diferença este ano é que a missa foi de tarde, e geralmente é de manhã. Mas, todos os anos, acompanhamos a imagem. Existem muitos devotos de São Jorge entre os motociclistas contou ela, que se diz admiradora do santo desde a infância.

Para a radialista Rosana Trindade, de 39, a influência de São Jorge vem desde a infância, quando aprendeu a cavalgar.

Quando montava, via que existia um santo parecido e comecei a pesquisar. Hoje, sou devota e sempre peço força a ele na luta do dia-a-dia explica.

Movimento de fiéis não parou em Quintino

O movimento não parou durante todo o dia na igreja de São Jorge em Quintino. Milhares de fiéis passaram pelo templo, que teve missas de hora em hora em homenagem ao Santo Guerreiro. A expectativa do padre Geraldo Luiz Canever é de que 100 mil pessoas tenham acompanhado as celebrações.

A cerimônia comandada pelo arcebispo Dom Orani foi assistida por 5 mil fiéis. Na rua, atuaram 60 barracas de ambulantes cadastrados pela prefeitura, que vendiam imagens, fitas e diversas outras lembranças do santo, além de alimentos.

O trânsito estava impedido na área, e apenas carros de serviço tinham permissão para circular. Uma torre de observação da GM foi montada para facilitar a fiscalização.

Para a Alvorada Festiva, na Igreja do Campo de Santana, muitas pessoas já esperavam na fila desde a tarde de quinta-feira pela solenidade que aconteceu pouco depois das 4h, com o toque da corneta seguido por queima de fogos.

A Polícia Militar também homenageou o santo, que é padroeiro da corporação, com um missa na Capela Capela São Jorge do 12º BPM (Niterói). Depois da celebração, conduzida pelo pároco capelão Alberto, houve uma procissão religiosa com a participação da Cavalaria, da Banda e dos Cães adestrados da Polícia Militar.

Shows em homenagens

De noite, a celebração não parou com um show em frente à estátua de Zumbi dos Palmares, no Ponto Chic, em Padre Miguel (Zona Oeste). O espetáculo teve apresentações de Ito Melodia (Intérprete da União da Ilha) e bateria da Mocidade Independente de Padre Miguel, seguidos por Emílio Santiago.

Para o advogado Álvaro Morais, 43, a devoção se explica pelo jeito de ser do carioca.

Desde que me entendo por gente, gosto do santo. Aqui no Rio, todo mundo é flamenguista e devoto de São Jorge brinca.

Tatuagem é mais uma forma de devoção

A adoração ao santo guerreiro está na pele de alguns fiéis. O funcionário público e motociclista Paulo César Garcia, 54, fez uma tatuagem dois anos atrás em homenagem a São Jorge.

Um dia, vi uma procissão quando ia visitar meu primo e senti algo diferente. Desde então, tomei-o como meu santo protetor conta, acrescentando que o nome do seu motoclube, Guerreiro Invencível, também é em homenagem ao matador de dragões.

Outro que ostentava um desenho era o publicitário gaúcho Aírton Beluda, 28, que curte as férias no Rio com a esposa e um casal de amigos.

Desde pequeno, por influência da família, sou devoto e fiz a promessa da tatuagem, que cumpri há oito anos recorda ele, que não vê problemas entre a cor do santo (vermelha) e a do seu time de coração, o Grêmio.

Lá em casa, existe uma imagem de Jorge, mas o vermelho da bandeira é bem fraquinho. Vou ver se coloco uma estátua com a cor azul diverte-se Aírton, lembrando a rivalidade estadual com o Internacional, cuja cor é vermelha.

Mas nem todo mundo rendeu homenagem de maneira tão radical. A aposentada Maria Lúcia, de 64 anos, por exemplo, usava uma camisa com a imagem do santo.

Não sou tão devota dele como de Nossa Senhora, mas tenho uma grande simpatia. Por isso, estou aqui na missa hoje diz ela.