Padre conta que pede uma obra da prefeitura há cerca de 10 anos

Gisela Magalhães, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - A igreja Nossa Senhora Consolata, em São Cristovão (Zona Norte), sofre há 10 anos com os alagamentos sempre que chove forte no bairro. Segundo o padre Flávio Ramos Vital, o problema vem de dentro da paróquia, devido à galeria pluvial que passa por baixo da construção e deveria ter sido estendida até a rua.

A manilha escoa a água que vem da comunidade do Tuiuti e de ruas situadas acima. A chuva sempre traz prejuízos. Já perdemos muitas doações, como alimentos, roupas e até uma máquina de xerox ressaltou.

Vital explicou que a pressão da água na tubulação é tão forte que já derrubou a parede da sala de aula, que fica no porão da igreja, onde são ministrados cursos de inglês, francês, e realizadas reuniões dos grupos de mútua ajuda alcoólicos anônimos e narcóticos anônimos. Os grupos de oração, que também são feitos no espaço, segunda-feira foram cancelados pela paróquia.

Segundo o padre, a obra é de competência da prefeitura e, por isso, não tem permissão para realizar o trabalho com seus próprios recursos. Caso o faça, pode levar até uma multa.

A Subprefeitura do Centro esteve aqui há 15 dias e prometeu voltar depois da Páscoa. Reconheço que, neste momento, existem problemas piores a serem resolvidos, mas esperamos uma solução. Há mais de 10 anos, convivemos com esses alagamentos destacou.

Para tentar conter o problema, há cerca de uma semana foram instaladas placas nas janelas da parte inferior da igreja.

Melhorou, mas não resolveu. Foi uma medida para amenizar os prejuízos. A água continua entrando disse Flávio Ramos.

Segundo o morador do bairro e freqüentador da igreja Fernando Sampaio, o volume de água acumulado só tem aumentado com o decorrer dos anos.

Precisamos de solução para esse problema. As salas de aula são constantemente inundadas. Na segunda-feira, a altura da água chegou a mais de 40 centímetros. Em outra ocasião a pressão foi tão grande que o concreto do chão levantou.