Uso racional da água deve ser compromisso social , defende Cedae

Agência Brasil

RIO DE JANEIRO - O assessor de Gestão Ambiental da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Estado do Rio de Janeiro (Cedae), José Maria de Mesquita, alertou hoje (26) a população para a necessidade de melhor utilização da água, durante seminário promovido pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

Segundo Mesquita, a Organização Mundial da Saúde considera dentro do aceitável o uso de 110 litros diários por pessoa. O Brasil é detentor de 13% das águas do planeta e tem 3% da população mundial. No entanto, apontou o assessor, 74% das reservas estão na Amazônia, área menos povoada do país.

Se a gente usa 150 litros e poderia usar 110 litros, cada um de nós está usando 40 litros a mais, o que dá um uso no total de 6,9 milhões de litros por dia jogados pelo ralo. É uma questão de gestão de água que não é só de órgão de engenharia, é principalmente uma questão de educação e compromisso ambiental e social , afirmou Mesquita.

No evento, a Cedae apresentou as ações desenvolvidas, como os programa de reflorestamento da Mata Atlântica nos leitos dos rios e de inclusão social de detentos como redução de pena em trabalhos oferecidos pela empresa. Segundo a companhia, o Programa de Despoluição da Baía de Guanabara tem avançado e a região metropolitana do Rio conta agora com a Estação de Tratamento de Esgoto Alegria, que atende 1,5 milhão de habitantes das regiões central e norte da cidade.

A diretora de Gestão de Águas e do Território do Instituto do Ambiente (Inea), Rosa Formiga, ressaltou a importância dos comitês de bacia na gestão dos recursos hídricos. Esses mecanismos foram criados para mediar os conflitos entre interesses produtivos e a sustentabilidade, de maneira mais pública e transparente.

Buscamos evitar o conflito por meio de bom planejamento, aprovando e executando um bom plano de bacia com as diretrizes de uso da água , destacou.