Chegada de UPPs em morros da Tijuca faz comércio prever lucro

Thiago Feres , Jornal do Brasil

RIO - A ocupação dos morros da Tijuca (Zona Norte) pela Polícia Militar, prevista para ocorrer nas próximas semanas, já começa a esquentar o mercado local. Segundo a associação de comerciantes do bairro, a expectativa inicial é de um aumento de 10% no faturamento, a partir da chegada das chamadas Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs).

Temos sentido uma esperança muito grande de comerciantes e dos próprios moradores da Tijuca revela o presidente da associação comercial do bairro, Robson Mansur. Com segurança, tudo melhora. Os idosos, que deixam de circular nas ruas quando escurece, voltam a frequentar um shopping ou uma casa de chá. Temos na Tijuca a segunda maior população de idosos da cidade, só perdendo para Copacabana.

Ao longo dos últimos anos, motivados pela falta de segurança, grandes investidores foram fechando os seus empreendimentos no bairro. O maior exemplo foi a rede de supermercados Carrefour, que decidiu por encerrar as atividades de uma de suas maiores lojas em 2005 localizada na Rua Conde de Bonfim, 1181 após sucessivas invasões de traficantes do Morro do Borel.

Estamos completamente abandonados reclama o morador Fábio Augustino, 37. Quando escurece, circular no trecho da Conde de Bonfim entre a Rua Uruguai e a subida do Alto da Boa Vista é uma aventura das mais perigosas. Os comerciantes são vítimas frequentes.

Em alguns pontos do bairro, é grande o número de lojas sendo vendidas ou abandonadas. Vânia Nascimento foi moradora do Morro da Casa Branca ao lado do Morro do Borel durante 40 anos. Atualmente, ela vive em Del Castilho, o que segundo ela, representa um alívio.

Tenho três filhos e precisei sair de lá. Torço para que a Polícia Militar consiga colocar ordem na casa, já que os moradores não merecem viver daquela forma destaca.

A ocupação da Polícia Militar na Tijuca deve começar pelo Morro do Borel, onde na última semana policiais civis realizaram uma ação para cumprir mandados de prisão contra traficantes que atuam na comunidade.

Mesmo com a violência, o shopping da Tijuca é um dos que mais vendem na cidade, perdendo apenas para o Barra Shopping enfatiza Robson Mansur.

Segundo a Secretaria de Segurança, o projeto das UPPs já beneficia 102 mil moradores de nove comunidades do Rio. A previsão é de que até o final do ano, 200 mil possam viver sem o domínio do tráfico armado.

Mercado imobiliário

De acordo o gerente da Ética Imobiliária da Rua Mariz e Barros, Ivan de Oliveira, a expectativa pela instalação do policiamento comunitário em favelas do bairro já está influenciando diretamente em algumas decisões dos proprietários de imóveis.

Muita gente que estava anunciando apartamentos optou por esperar um pouco mais revelou ele. Sabemos que vai haver uma grande valorização dos imóveis. Não só pela chegadas das UPPs, como também pela proximidade com o Estádio do Maracanã, que será o futuro palco da final da Copa do Mundo em 2014 e um dos principais endereços dos Jogos Olímpicos de 2016. Só não sabemos ainda de quanto será essa valorização.