Em um ano de Lei Seca, mais de 34 mil motoristas foram multados

JB Online

RIO - Lançada com o objetivo de combater a mistura de álcool e direção, a Operação Lei Seca, da Secretaria de Estado de Governo, completa nesta sexta-feira um ano em ação. Nesse período, 177.682 motoristas foram abordados em blitzes, 34.308 deles receberam multas e 10.626 veículos foram rebocados. Em um ano, 13.986 carteiras de habilitação foram recolhidas e os agentes realizaram 167.155 testes com etilômetro. Foram aplicadas 12.858 sanções administrativas e 816 criminais (índice de alcoolemia acima de 0,29 mlg/L).

O saldo da Operação Lei Seca é altamente positivo neste primeiro ano. Isso se deve à definição de uma política pública de governo; ao estabelecimento dos focos de fiscalização e conscientização, o que contribuiu para a mudança de comportamento dos cidadãos, e à participação dos cadeirantes, exemplos vivos de superação , afirmou Carlos Alberto Lopes, subsecretário de Estado de Governo e coordenador-geral da Operação Lei Seca.

De acordo com a última contabilidade divulgada pelo Grupamento de Socorro de Emergência (GSE) do Corpo de Bombeiros, até fevereiro de 2010, a Operação Lei Seca evitou que pelo menos 4.535 pessoas morressem ou se ferissem em acidentes de trânsito, uma queda de 21,8% no número de acidentados se comparado a igual período de 2009.

Em todos os meses de 2009, após o início da Operação Lei Seca, os índices registraram queda no número de vítimas de trânsito da capital em relação a 2008. Em dezembro, a queda ficou em 26,9%; em novembro, 29,4%; em outubro, 26,7%; em setembro, 27,2% e em agosto, a queda foi de 23,3%. No mês de julho, a queda foi de 20,6%; em junho, 25,6%; em maio, 36,2%; e em abril, menos 23,6% vítimas de trânsito. De 19 de março a 19 de abril período que compreende o primeiro mês da Operação , o número de vítimas registrou queda de 19%. Em janeiro de 2010, a redução chegou a 27,6%.

A Operação Lei Seca é uma campanha educativa e de fiscalização, de caráter permanente, que abrange os bairros da Capital e municípios da Região Metropolitana (Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá) e da Baixada Fluminense. As ações são realizadas em vias com maior número de acidentes.

Os motoristas são abordados em blitzes nas ruas e passam pelo teste do etilômetro para medir o teor de bebida alcoólica ingerida. Em paralelo, cadeirantes vítimas de acidentes de trânsito, estudantes de Medicina e fiscais da secretaria de Estado de Governo fazem panfletagem em bares, boates e restaurantes sobre o perigo de misturar direção e álcool.

Participam ainda da operação policiais civis e militares, o Detran e a CET-Rio. Apoiam a ação a Uerj, a UFRJ, a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, a ONG Trânsito Amigo, 260 associações de taxistas, a Fetranspor (Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro), a SuperVia, o Metrô-Rio e as Barcas S.A.