Em enquete do JB, 81,82% crê que conservação do Rio de Janeiro é ruim

JB Online

RIO DE JANEIRO - A Cidade Maravilhosa, famosa no mundo inteiro pelas belezas naturais e pelo espírito do carioca, comemorou nesta segunda-feira (01) 445 anos de história. Qualidades à parte, quem vive no Rio de Janeiro conhece como ninguém as mazelas: sujeira urbana, população de rua, comércio irregular nas ruas, pavimentação desregulada em diversas vias, entre outros problemas que incomodam a rotina da cidade.

O JB Online perguntou aos internautas: 'Qual nota você dá para a conservação do Rio no dia de seu aniversário?' Cinquenta e cinco votos foram computados, e o resultado foi negativo, já que 81,82% considerou a conservação ruim.

Emmanuel da Silva, morador do Rio de Janeiro, dá outro foco para as operações da prefeitura: "Se faz necessário um 'Choque de Ordem' na pavimentação das ruas, em especial na pista da direita, dos ônibus, da Av. Brasil sentido centro após a saída da Ilha do Governador. É lastimável e inaceitável o estado de abandono dessa Avenida. Parece que a Prefeitura só tem olhos para a Zona Sul."

Robson Messias Lopes, de Além Paraíba (Minas Gerais) questiona há uma real preoucpação com a cidade: "Se é que existe conservação, seria nos lugares frequentados por turistas. Em locais mais afastados, são ruas escuras e esburacadas, vazamentos de água e esgoto, sem contar outros problemas."

João Teixeira Neto corrobora: "Não sei se as pessoas julgam pela Zona Sul, pois se for, minha nota seria regular. Mas se for pela Zona Norte seria ruim; e se fosse pelo Subúrbio, abaixo de qualquer crítica. Em suma, o Rio de Janeiro está e sempre esteve jogado para as baratas", opina, descrentemente.

Alder Oliveira Silva, que morou em Estocolmo, na Suécia, por doze anos, põe razão e amor no mesmo patamar: "Sou um 'carioca' por adoção e de coração. Já morei em outras cidades do Brasil e em Estocolmo durante 12 anos, e nada se compara ao encanto que o Rio tem, apesar de todas essas mazelas (violência, sujeira e todo tipo de desordem urbana). Culpa dos governantes e também de seus moradores, que por falta de educação, não cuidam bem de sua cidade."