Educação começa ainda no berço

Carolina Monteiro, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Afinal, quando os pais devem começar a investir na educação de seus filhos? A conclusão do economista americano James Heckman, que recebeu o Prêmio Nobel em 2000, é que quanto mais cedo os estímulos educacionais forem dados, maiores serão as chances de uma criança se tornar bem sucedida no futuro. Os estudiosos de psicologia e pedagogia concordam: estimular as crianças desde a primeira infância entre 0 e 6 anos é fundamental para o desenvolvimento da capacidade de aprendizado no futuro.

A criança precisa de duas coisas complementares: o afeto em casa e o estímulo para se desenvolver em diversas áreas diz Zena Eisenberg, professora da PUC-Rio e doutora em Psicologia do Desenvolvimento Humano.

Os bebês precisam de afeto para criar uma base e ter segurança emocional. Para complementar os estímulos recebidos em casa, as creches devem deixar de ser um local onde os pais largam seus filhos para ir ao trabalho, e se transformar em um espaço voltado para o aprendizado.

A educação de uma criança não começa na fase da alfabetização. A família e os professores da creche devem estar atentos às necessidades de um bebê e tratá-lo como um ser que se comunica e interage diz Silvia Zornig, presidente da Associação Brasileira de Estudos sobre o Bebê.

Em casa, os pais devem conversar com a criança, estimulando os sentidos cognitivo e afetivo. Assim, explicam os especialistas, a criança começa a desenvolver os elementos para que possa formar sua inteligência.

Como nos primeiros anos de vida, a criança aprende principalmente através de música e elementos visuais, o estímulo deve acontecer de forma lúdica. As creches e escolas devem se adaptar a isso com móveis grandes, objetos coloridos e materiais de encaixar que desenvolvem a motricidade e a coordenação motora do aprendiz..

Nesta faixa etária, a criança está reconhecendo o mundo. Nós trabalhamos com atividades corporais, experimentação e exploração dos espaços para estimulá-las conta Cíntia Freitas, coordenadora pedagógica da educação infantil da Rede Miraflores.

Para os pais, além da preocupação com a segurança, é indispensável saber que seu filho está sob os cuidados de profissionais capacitados.

A minha filha, quando chega em casa, repete com as bonecas o que fez na escola. Assim, eu acompanho de perto o seu aprendizado conta Lúcia Tavares, mãe de Carolina, três anos e meio, na escola desde quando tinha apenas quatro meses de idade..

Prioridade para a educação

Atualmente, 115.072 crianças estão inscritas nas creches e pré-escolas da rede municipal. Ainda existem outras 20 mil na lista de espera por uma vaga. Para diminuir a defasagem, a Secretaria Municipal de Educação (SME) tem desenvolvido projetos voltados para a educação infantil, o que vem sendo encarado com prioridade.

Nossa meta é gerar 30 mil vagas em creche e 80 mil em pré-escola nos próximos três anos defende Maria Eduarda Falcão, responsável pela educação infantil na rede municipal.

Além disso, foram criados os Espaços de Desenvolvimento Infantil (EDIs), onde a criança é colocada em contato com livros e materiais apropriados desde cedo, além da presença de um agente de saúde. Outro objetivo do órgão é fortalecer a comunicação com os pais e a presença deles nas escolas.