Eleição: prazo para regularizar situação com Justiça termina em maio

Thiago Feres, Jornal do Brasil

RIO - Somente no ano passado, 57 mil cariocas perderam o título de eleitor em consequência de dívidas com a Justiça Eleitoral. Levantamento preliminar do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ) mostra que, no balanço de 2009, ainda restavam 3 mil títulos passíveis de cancelamento. E para quem pensa que tudo isso é muito chato, cabe ressaltar que sem o documento não é possível inscrever-se em concurso ou prova para cargos públicos, obter empréstimos em sociedades de economia mista ou tirar passaporte.

Perde o título o eleitor que não justificar a ausência no pleito após três eleições consecutivas (seis anos sem votar). Para aqueles que desejam ficar com a vida em dia, basta pagar multa no valor aproximado de R$ 4 na Caixa Econômica Federal e pedir a reativação do título. Não há prazo para resolver o problema.

Mas se o eleitor mudou de bairro ou cidade, e deseja transferir o domicílio eleitoral é bom arrumar um tempinho na agenda. No dia 5 de maio encerra o prazo para novas inscrições, transferências ou revisão de dados pessoais. Deixar tudo para a última hora é a certeza de longas filas nas Zonas Eleitorais.

Infelizmente, é grande o número de pessoas que só se preocupa com a situação às vésperas do encerramento do prazo. As Zonas Eleitorais ficam sobrecarregadas sem necessidade disparou o corregedor regional, Luiz de Mello Serra.

Apesar do apelo do TRE, ainda há muito eleitor sem pressa para alterar os dados.

Mudei da Tijuca para o Flamengo há quatro anos e sempre esqueço de fazer a troca de endereço conta o administrador Rodrigo Oliveira. Em ano eleitoral, não faço alteração no cadastro. Dizem que quem realiza os procedimentos acaba sendo chamado para ser mesário.

No Rio, existem 248 Zonas Eleitorais à disposição dos 11.353.065 eleitores. Elas funcionam de segunda a sexta-feira, de 11h até as 19h, mas a procura nos postos ainda é pequena.

Atendemos a uma média de 15 pessoas diariamente avalia um funcionário da 163ª Zona Eleitoral, responsável por 46 mil eleitores dos bairros do Catete, Glória e Lapa.

Já para quem deseja tirar a segunda via do título de eleitor, o prazo se encerra em 23 de setembro.

A cada pleito, participação dos jovens nas urnas aumenta

A procura de adolescentes em busca de novos títulos de eleitor vem surpreendendo os funcionários de algumas Zonas Eleitorais do Rio. No Brasil, o voto é obrigatório a partir dos 18 anos, no entanto, jovens de 16 e 17 anos, quando participar do pleito é opcional, estão comparecendo em grande número aos postos para poder participar ativamente do processo político do Brasil.

No Instituto Metodista Bennett, tradicional escola do Flamengo (Zona Sul), Laíla Jacob, 17, e Francisco Gradel, 16, são exemplos. Ambos já tiraram os seus documentos e vão encarar a urna eletrônica pela primeira vez no dia 3 de outubro.

Meus pais lutaram na época da ditadura. Eles são os meus maiores exemplos. Por isso, quero escolher quem vai me representar nos próximos quatro anos diz Francisco,

Na opinião de Laíla, é preciso estar preparado para assumir tamanha responsabilidade.

Tem que ter cabeça boa para escolher o presidente do país. Se for para votar de qualquer jeito, é melhor abrir mão de participar das eleições enquanto o voto for facultativo. No meu caso, sempre procurei ser a representante das minhas turmas no colégio. Estou no terceiro ano. Na minha turma, acho que uns 12 vão votar por opção conta.

Na 3ª Zona Eleitoral, que cobre o bairro do Flamengo, o movimento de quem precisa se regularizar com o TRE segue pequeno. Já a presença dos adolescentes, é o retrato do entusiasmo verificado na instituição de ensino.

No dia 3 de outubro, os brasileiros vão eleger deputados estaduais e federais, senadores, governadores e presidente.