Subsídios do governo russo atraem estudantes brasileiros

Carolina Monteiro, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - O sonho de muitos estudantes do Brasil é entrar em uma universidade de qualidade sem passar pelo estresse do vestibular. Essa possibilidade, aliada a taxas econômicas, se comparadas às de instituições brasileiras e européias, e à oportunidade de conhecer um novo país, tem levado muitos brasileiros a ingressar em universidades russas.

Eu sempre quis estudar Relações Internacionais. Com a crescente procura por profissionais que falem russo, me interessei em estudar no país conta Ana Carolina Barths, estudante da Universidade Russa da Amizade dos Povos (RUDN), em Moscou.

O sólido sistema educacional russo, herança do período socialista, é referência em diversas áreas. Além da qualidade de ensino, as universidades russas atraem muitos brasileiros em busca de especialidades acadêmicas que não são oferecidas no Brasil.

Quis estudar na Rússia para me especializar em conflitologia explica Francisco Simone que estuda Relações Internacionais na Universidade Politécnica de São Petersburgo.

Preparação

Antes de ingressar na graduação, os alunos fazem cursos preparatórios, durante os quais aprendem a língua russa e se familiarizam com a cultura do país. O frio e a dificuldade em aprender o idioma não afugenta quem decide estudar na Rússia.

É raro ver alguém desistir por causa do frio ou do idioma afirma Ana Carolina. Na RUDN, os alunos estrangeiros são organizados por federações, que tem contato direto com a reitoria, que lhes dão todo o suporte necessário.

Outra vantagem de estudar na Rússia é o subsidio oferecido pelo governo do país aos estudantes estrangeiros.

Além das mensalidades mais baratas, as despesas com seguro médico (11 mensalidades por ano), luz, gás, água e calefação são pagas pelo governo russo ressalta Carolina Tellez, diretora da Aliança Russa de Ensino Superior, criada em 2005 para atender ao crescente número de brasileiros interessados em estudar no país.

De acordo com o órgão, atualmente, 400 brasileiros estudam na Rússia. A instituição é responsável pelo processo seletivo e ainda auxilia os alunos na busca por um local de moradia e na obtenção do visto.

Processo seletivo

Os processos seletivos acontecem diversas vezes durante o ano e são divulgados no site da Aliança Russa de Ensino Superior (https://www.aliancarussa.com). Os candidatos são avaliados a partir do histórico escolar e de uma entrevista com a diretora.

Termina hoje o prazo de inscrição para 20 vagas disponibilizadas especificamente para brasileiros pela RUDN no curso de Relações Internacionais. A ida para a Rússia é prevista para abril.

Outro processo seletivo oferece até o dia 15 de março 40 vagas nos cursos de Gás e Petróleo, Medicina e Relações Internacionais em quatro universidades da Rússia.

Ao terminar o curso, o aluno que desejar retornar ao Brasil deverá validar seu diploma em uma instituição pública brasileira. De acordo com Carolina Tellez, o aluno não deve encontrar dificuldades, pois a carga horária cobrada na Rússia é superior à brasileira.

Além disso, os diplomas concedidos pelas universidades russas são válidos na Europa, desde o estabelecimento do Espaço Europeu de Ensino Superior, neste ano.