No Carnaval, polícia atuou com efetivo 4,6% maior que em 2009

Thiago Feres, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - O secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, avaliou como positivo o esquema montado para garantir a segurança em todo o estado durante o Carnaval. Ao todo, 10 mil policiais militares participaram da ação, um número 4,6% maior do que o empregado no último ano.

Acho que o resultado foi bom. A cada ano devem ser feitas alterações, mas nós entendemos que tudo correu bem. Ainda assim, vamos fazer uma reunião nesta semana para fazer um balanço mais minucioso disse.

Crime na Urca

O crime que mais ganhou destaque durante o período carnavalesco foi o da ex-modelo e socialite Penha Ferreira do Nascimento, 65. Ela foi assassinada a facadas dentro da sua residência, na Urca (Zona Sul), no último sábado e enterrada ontem no cemitério São João Batista, em Botafogo. A morte de Pia Nascimento como era conhecida foi descoberta por uma amiga com quem a vítima havia combinado de assistir um filme.

Para agilizar a elucidação de casos como esse, a nova Delegacia de Homicídios, inaugurada no final de janeiro, ganhou equipamentos modernos e novas viaturas para facilitar na hora de fazer perícias e ouvir testemunhas no local do crime. Beltrame acredita que a reformulação da especializada já deveria ter sido feita há alguns anos.

É cedo para avaliar, mas pelos resultados que vem trazendo, a gente acredita que era uma mudança que deveria ter sido realizada muito antes. Pelo tamanho do Rio de Janeiro, quanto antes se chegar ao local para fazer os procedimentos, a possibilidade de se obter resultados é maior. Minha preocupação é em reduzir os índices de homicídios revela.

Devido a uma possibilidade de ataque de criminosos a delegacias do Rio, que chegou até a polícia por informantes, as DP's da região metropolitana se mantiveram de plantão. Em algumas delas, houve reforço de efetivo.

Ficamos em alerta, mas nada aconteceu. Deu tudo certo e o Carnaval foi de absoluta paz disse o diretor de policiamento da capital, Ronaldo Oliveira.