Monobloco encerra Carnaval 2010 com desfile para 350 mil foliões

Marcelo Fernandes, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Todo carnaval tem seu fim e 2010 não poderia ser diferente. Ontem, quatro dias depois da quarta-feira de cinzas, o Monobloco arrastou, de acordo com os organizadores, 350 mil pessoas pelas ruas do Centro da cidade, encerrando os desfiles deste ano.

O cortejo teve um gosto especial por ser o décimo aniversário do bloco fundado pelo músico Pedro Luís, que atribuiu à riqueza da música brasileira o motivo do sucesso com o público, que acordou cedo para participar da festa, que começou com um esquenta às 8h.

Nunca imaginamos essa proporção toda quando começamos o bloco. É bacana ver a história continuar desse jeito. Contamos também com o repertório generoso feito em nosso país. Misturamos tudo com a batucada e é isso aí que você está vendo, uma felicidade absoluta conta o músico.

A diversidade a qual Pedro Luís se refere levantou a multidão que pulou ao som de samba, marchinhas antigas e até música pop. No chão, a bateria, composta por 160 percussionistas, sob o comando do maestro Celso Alvim, executou mais de 60 canções. Este ano, o bloco ainda homenageou o compositor Villa-Lobos, cuja data de falecimento completou 50 anos.

Na opinião da empresária do grupo, Maria Clara, o Centro do Rio é o lugar perfeito para o desfile do bloco, por ser uma área comercial e não incomodar aqueles que não curtem a folia.

Este é o quarto lugar da cidade que desfilamos, e nunca mais iremos para outro. Aqui, só vem quem gosta do Monobloco, o que não acontece na orla, que a pessoa está na praia, vê um bloco e acompanha sem nem saber qual é opina.

Sem confusões

O desfile transcorreu sem maiores tumultos. Segundo a Polícia Militar, que enviou 80 PMs para realizar a segurança, não foram registradas ocorrências durante o desfile. Porém, muitos foliões passaram mal com o calor.

A maioria das pessoas chega aqui passando mal por causa do calor, desidratadas. Elas ficam sem beber água e acontece isso. Já este ano não tivemos muitos casos de pessoas bêbadas, o que é um bom sinal explicou o médico Jonas Pereira, contratado pela organização.