Comlurb recolheu mais de 22 mil sofás em residências no ano passado

Marcelo Migliaccio, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Durante o ano passado, a Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Cmulurb) recolheu 22.615 sofás e poltronas em residências da cidade do Rio. Apesar do número parecer expressivo, a quantidade de móveis largados nas ruas mostra que muita gente desconhece o serviço gratuito oferecido pela empresa há dez anos.

Recebemos um total de 240 mil chamados em 2009 conta o gerente de Controle Urbano da Comlurb, Antonio Fernando Cordeiro. Se as pessoas jogam os sofás na rua, nosso trabalho é dobrado. Estou vendo que precisamos divulgar ainda mais o serviço.

Antonio diz que abandonar um sofá, geladeira ou qualquer outro bem na rua é passível de multa de R$ 500. Segundo ele, o maior problema atualmente nem são os sofás, mas os colchões.

O entulho de obra também é uma praga. Quando somos chamados para recolher, obrigamos a pessoa a dar um intervalo de dez dias entre um pedido e outro, senão eles nos chamam para levar cem sacos hoje, mais cem amanhã... Se for uma obra grande, é melhor pagar uma caçamba das empresas que fazem esse serviço.

A força tarefa da Comlurb para recolher o lixo maior e mais pesado nas residências conta com 92 garis e 23 caminhões, divididos em dois turnos e atuando nas zonas Sul, Norte e Oeste.

O cronograma de atendimento dos pedidos é montado de acordo com a capacidade do caminhão e o tipo de volume a ser removido. É um quebra-cabeça diz Antonio Cordeiro.

E dá de tudo. Em 2009, foram 17, 2 milhões de sacos de entulho, 108 mil aparelhos de TV, som, computadores, bicicletas e pranchas de surfe; 1.373 geladeiras e freezers; e 23 mil armários.

Toda a carga vai para o aterro sanitário.

Já tentamos separar para doar, mas é impraticável.