Bateria e samba, destaques no ensaio da Caprichosos

Simone Fernandes, Tudo de Samba

RIO - A opção da Caprichosos de Pilares em levar para a Avenida este ano o samba 'E por falar em saudade', o mesmo que a escola cantou no desfile de 1985, foi um acerto do presidente Paulo de Almeida. Isto ficou claro no ensaio que a escola fez na Marquês de Sapucaí, na noite deste sábado.

A obra foi cantada pela maioria maciça dos componentes, e, pode ser, no Sábado de Carnaval, um grande trunfo para apagar da mente dos torcedores o desfile do ano passado, que deixou a azul-e-branco em último lugar, posição que teria levado A agremiação ao rebaixamento para o Grupo B, caso a Lesga (Liga das Escolas de Samba do Acesso) não tivesse anunciado, no dia da apuração, uma repentina mudança no regulamento.

Mas o samba não foi o único ponto positivo da noite, na qual se destacaram ainda as paradinhas da bateria de mestres Zumbi e Alexandre, e o desempenho do jovem Thiago Britto, de 21 anos, estreante como intérprete.

A passagem da escola pela Sapucaí também marcou a estreia de Tony Tara como coreógrafo da comissão de frente. Para buscar as notas máximas no desfile, Tara abriu mão de bailarinos e formou um grupo que reúne gerente de operações, psicanalista, militar, professores, além de Valci Pelé, responsável pela consagrada ala de passistas da Portela junto com Nilce Fran, que é assistente de Tony Tara na comissão de frente da agremiação de Pilares.

A porta-bandeira Denadir e o mestre-sala Luiz Augusto, que já defenderam a escola e que estavam na Renascer de Jacarepaguá, estão de volta. A dupla fez boa apresentação na noite de reestreia.

A releitura do enredo da Caprichosos está sendo desenvolvida por Luiz Fernando Reis, que assinou o desfile original, e Elcio Paim.