Sem festa, Angra dos Reis completa 508 anos

Francisco de Assis, Portal Terra

RIO - O comércio não abriu, mas o dia foi de trabalho para os moradores de Angra dos Reis (RJ). Em pleno feriado de aniversário da cidade, que nesta quarta-feira completou 508 anos de fundação, a população aproveitou a folga do serviço para limpar a sujeira provocada pelas chuvas. "Muito trabalho. Não dá para pensar em descanso. Nesse momento, tudo o que mais queremos é voltar à rotina normal do dia a dia", disse a carioca Tatiana Maria Soares.

No centro da cidade, as lojas ficaram de portas fechadas. Os bancos não funcionaram. "O ano não começou bem. Está sendo difícil para todo mundo, tem gente que perdeu tudo o que tinha. Não foi o meu caso, mas mesmo assim, não dá para fingir que nada aconteceu", afirmou o eletricista Marcos de Souza.

Vista por cima, a situação não mudou. Nos morros mais atingidos pelas chuvas, foi dia de mudança. "Levantei cedo para ajudar os companheiros no batente. Já faz quatro dias que estou ajudando na mudança da turma. Na nossa comunidade é assim, um ajuda o outro", disse Japuranã Evangelista da Conceição. O morador do Morro da Carioca está entre a lista de sobreviventes da catástrofe e diz que não consegue esquecer a tragédia. "Tive muita sorte. Eu saí para chamar minha mulher e por isso escapei. Vi o morro despencar e muitas pessoas ficaram presas entre a lama. Fui ajudar e quando percebi estava caindo de novo. Rolei pelo barranco. Fiquei todo machucado, mas estou vivo", afirmou Japuranã, com os braços e as pernas enfaixadas.

No dia em que Angra dos Reis completa 508 anos todas as festas foram canceladas. A comemoração, que havia sido programada antes da tragédia, deu espaço a uma missa realizada na prefeitura municipal em homenagem às vítimas do deslizamento. "Não tem o que comemorar. Tínhamos muito o que fazer, mas infelizmente a tragédia acabou com tudo. O sentimento de tristeza é coletivo", disse o vice-prefeito da cidade, Essiomar Gomes.

Tragédia em Angra

Deslizamentos de terra causaram dezenas de mortes na madrugada do dia 1º em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro. No centro de cidade, uma encosta cedeu e deslizou por cima de casas no Morro da Carioca. Na Ilha Grande, o deslizamento por conta das chuvas durante a madrugada encobriu a pousada de luxo Sankay, lotada de turistas, e mais sete casas, na enseada do Bananal. Cerca de 120 homens da Defesa Civil, dos Bombeiros e da Marinha participam do resgate.