Morte de americano em Búzios é cercada de mistérios

Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - A polícia investiga a morte do americano Michael Kenneler, de 41 anos, encontrado morto a tiros na estrada que dá acesso ao aeroporto de Búzios, na Região dos Lagos, na tarde de terça-feira. Ainda não há pistas que apontem o motivo do assassinato e a hipótese de assalto não foi descartada.

Kenneler era engenheiro e funcionário de uma multinacional. Casado com uma brasileira, morava no Rio havia sete anos. Nesta quarta-feira, conhecidos do casal contaram que o americano passou o Réveillon no balneário com a família e um grupo de amigos.

Na terça-feira, Kenneler deixou a pousada onde estava hospedado para se encontrar com um advogado na capital fluminense. Segundo os amigos, ele saiu por volta das 10h, após alugar um Celta preto, placas LLA 8942.

Como não compareceu ao encontro, o advogado ligou para um dos amigos do americano que o acompanhava em Búzios. Desconfiado do sumiço, o amigo que não foi identificado ligou para o celular de Michael. Quem atendeu, no entanto, foi um policial de Búzios, que afirmou que o corpo do engenheiro estava abandonado na beira da estrada, junto com o celular, guardado no bolso da roupa que ele usava.

Nesta quarta, a polícia encontrou o carro alugado por Michael. Fora abandonado em Cabo Frio, a 25 quilômetros do local do crime, depois de ser incendiado.

Como os investigadores ainda não têm suspeitos, nem sabem a motivação do crime, terão de ouvir a mulher e os amigos do americano atrás de pistas. Embora a polícia não descarte a hipótese de o engenheiro ter sido morto durante um assalto, outras linhas de investigação serão levantadas nos próximos dias.

O corpo de Micheal Kenneler está em uma funerária na cidade de Búzios. Até esta quarta, no entanto, a família não havia decidido se o enterro será feito no Brasil ou nos Estados Unidos.