Casal que perdeu duas filhas em deslizamento não tem previsão de alta

Agência Brasil

RIO - Não há previsão de alta para o empresário Marcelo Repetto, 45 anos, e sua mulher, a jornalista Cláudia Cristine Repetto, 42, vítimas do deslizamento de terra ocorrido na Enseada do Bananal, em Ilha Grande, município de Angra dos Reis, na madrugada do último dia 1º. O estado de saúde do casal, que perdeu as filhas Gabriela, 9 anos, e Giovanna, 12, no desastre, é estável, segundo os médicos.

Marcelo está internado, em estado grave, na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital São Vicente, na Gávea. De acordo com a assessoria do hospital, ele sofre de complicações renais provocadas pelo desastre.

Cláudia foi transferida hoje (6) da UTI para um quarto do Hospital Copa D'Or, em Copacabana, onde se recupera de uma cirurgia na coluna, segundo boletim médico. Ela se alimenta sem dificuldades e deve ser submetida esta tarde a novos exames para avaliar o esmagamento das pernas e da 12ª vértebra.

Os corpos das meninas estão no Instituto Médico Legal (IML), do Rio, e só serão sepultados depois que o casal tiver alta.

Trinta e uma pessoas morreram na Enseada do Bananal em consequência do deslizamento de terra. Segundo a Defesa Civil, o corpo de Roseli Marcelino Pedroso, 34 anos, ainda não encontrado. Os deslizamentos de terra ocorridos em Angra dos Reis, na passagem de ano, mataram pelo menos 52 pessoas.